Phoebe Dynevor (Daphne Bridgerton) e René-Jean Page (o Duque de Hastings) em
Divulgação
Phoebe Dynevor (Daphne Bridgerton) e René-Jean Page (o Duque de Hastings) em "Bridgerton"


A inglesa Phoebe Dynevor, de 25 anos, é a atriz mais comentada de 2021, mas não sabe o que é sucesso fora das redes sociais. Protagonista de "Bridgerton", da Netflix , a série mais badalada deste início de 2021, ela ainda não pôde sair às ruas por causa do recrudescimento da pandemia de Covid-19 e as medidas de lockdown em seu país. Tem vivido a fama pelo celular, com os fãs lotando a sua caixa de mensagens no Instagram.

"Quando a série saiu, a pandemia ficou muito ruim aqui. É um tempo estranho para esse sucesso estar acontecendo (na minha vida) . O mundo está surreal. Não saí de casa desde o lançamento (25 de dezembro) . O sucesso é na tela, no laptop, eu não experimentei a coisa na vida real, então estou distante", disse a jovem, em entrevista por Zoom, na manhã desta terça-feira.


No topo do ranking de 76 países, incluindo o Brasil ("Nós sempre soubemos que teríamos os brasileiros do nosso lado", diz ela"), Bridgerton é a primeira série produzida por Shonda Rhimes para a Netflix. Na trama, baseada no livro "O duque e eu", de Julia Quinn, Phoebe vive Daphne Bridgerton, uma moça da alta sociedade da Londres do século XIX que entra no "mercado" matrimonial exatamente quando chega à cidade o Duque de Hastings, um solteiro convicto com quem ela acaba ganhando bastante intimidade. Leia-se: transando bastante.

Sobre isso, Phoebe conta que ela e Regé-Jean Page, seu par romântico, tiveram a ajuda de uma "coordenadora de intimidade". Essa profissional virou habitué dos sets a partir do movimento #MeToo e tem a função de criar diretrizes para cenas de sexo e coibir qualquer abuso. Para a atriz, foi essencial.

"Ela foi uma das primeiras pessoas que conhecemos. Quando lemos o roteiro, vimos que tinham muitas cenas de intimidade. Eram altamente coreografadas. Nós estávamos tão preparados quando chegamos no set que eu sabia exatamente o que fazer, onde a mão dele estaria. Era tudo muito específico, por isso nós dois nos sentimos muito seguros quando finalmente fomos filmar. Sou muito grata por elas (coordenadoras de intimidade) existirem agora. Fazem todo mundo se sentir seguro".

Além das altas temperaturas

Você viu?

Atuando em cenas quentes desde o início do carreira, ela comemora os avanços e lembra de como era difícil para os atores, independentemente do sexo, ter segurança emocional nesse tipo de trabalho:

"Já fiz cenas de sexo antes e me sentia vulnerável. Olhando para trás, não era ok as situações que passávamos. Não eram desconfortáveis apenas para as mulheres, mas para os homens também".

A pimenta e os ares novelescos da história, para Phoebe, não são a única explicação para o sucesso da série diante de uma audiência novamente confinada e ávida por consumir conteúdos leves. Para ela, a modernização da trama de época, com músicas atuais, e principalmente elenco racialmente diverso são os gols de Shonda Rhimes e Chris Van Dusen, o criador da série.

"Eu não tinha lido o livro até conseguir o papel. Chris foi capaz de modernizá-lo, dar ao público um reflexo do mundo em que vivemos. E sempre tivemos conversas sobre diversidade do elenco. Foi intencional colocar pessoas não brancas em posições de poder. E foram escalados os melhores atores. Quando vi Rége, pensei: 'Uau, ele é perfeito para o papel. Não há ninguem que possa fazer melhor'".

Não havia outro caminho

O gosto de Phoebe pelas artes vem de berço. Nascida em Manchester, em 1995, ela é filha de Sally Dynevor, atriz britânica famosa por sua participação na série "Coronation Street", uma das produções de maior sucesso no país. Sally, inclusive, já foi condecorada pela rainha Elizabeth II com a Ordem do Império Britânico por seu trabalho. Seu pai é Tim Dynevor, roteirista da série "Emmerdale", de 1995 a 2016.

"Minha tia também trabalhava com cenários. Meu tio é produtor. Então, eu conhecia vários aspectos do negócio. Sabia que tinha que fazer parte disso", diz ela, sobre a escolha da profissão.

Diante de tanta intimidade com o meio artístico, não demorou para que entrasse também no business . Sua estreia como atriz aconteceu aos 14 anos, na série da "BBC" "Waterloo Road", que, por ironia do destino, também teve a participação de Regé-Jean Page.

"Fizemos a mesma série, mas não na mesma época. Nosso primeiro encontro foi no "teste de química". Shonda Rhimes estava na sala, não tínhamos ensaiado nada. Depois, tivemos ensaios ótimos de intimidade, de dança. Sorte ter funcionado. Shonda é um gênio na escalação.

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários