De filmes indicados ao Oscar, como "Boogie Nights" a documentários como "Kink", que busca desvendar o site mais fetichista da internet. Veja a lista

A indústria pornográfica provoca um fascínio que muitas vezes é até difícil de mensurar. Coube ao cinema tentar compreender essa ebulição sociocultural que atravessa continentes, gêneros sexuais, classe econômica, faixa-etária, etc. Os filmes pornô são matéria-prima de um cinema que se pretende investigativo, reverberante e culturalmente relevante.

Leia também em Sexografia: Qual país produz os melhores filmes pornô do mundo?

O iG Gente listou dez filmes que adentram os bastidores do pornô desavergonhadamente.

Leia também em Sexografia: Cada vez mais inserida na rotina da sociedade, a nudez ainda é capaz de chocar

“Boogie Nights – Prazer sem limites” (EUA, 1997)

Cena de
Divulgação
Cena de "Boogie Nights - Prazer sem Limites"

O filme de Paul Thomas Anderson talvez seja o mais completo e complexo a tratar da indústria pornô. Ambientado na Los Angeles dos anos 70, o filme captura o momento de efervescência da cena pornô e tem Mark Wahlberg faz um jovem de 17 anos com vocação para o pornô, o que quer dizer que é bem dotado, que vira o protegido de um diretor veterano (Burt Reynolds). Julianne Moore como uma milf atraída pelo personagem de Wahlberg foi indicada ao Oscar por um dos filmes mais sentimentais e paradoxalmente cínicos da década de 90.

“Censura Máxima” (EUA, 1990)

Cena do filme
Divulgação
Cena do filme "Censura Máxima"

Outro filme ambientado na cena pornô californiana dos anos 70. Dois irmãos, vividos pelos irmãos Charlie Sheen e Emilio Estevez vivem os exageros da época e isso quer dizer que usam e abusam do sexo, álcool e drogas. E do rock´n roll, claro. O filme é uma cinebiografia dos irmãos Mitchell, considerados os reis do pornô nos anos 70. Eles produziram, por exemplo, o clássico-mor do gênero, “Garganta Profunda”.

“Garganta Profunda” (EUA, 1972)

Cena do filme
Reprodução/Youtube
Cena do filme "Garganta Profunda"

Ainda que seja um filme pornográfico, “Garganta Profunda” excedeu os limites do gênero. A Variety o classificou como “O Poderoso Chefão” do gênero. O filme foi pioneiro no gênero ao focar nos personagens, no desenvolvimento deles e da história e angariou fãs em Hollywood como o cineasta Mike Nichols e o astro Warren Beatty. A história é um tanto absurda. Linda (Linda Lovelace) tem o clitóris na garganta e precisa encontrar um pênis grande o suficiente para lhe prover o tão ansiado orgasmo.

“Lovelace” (EUA, 2013)

Divulgação
Divulgação
Divulgação

A cinebiografia de Linda Lovelace, a atriz pornô convertida em estrela na esteira do sucesso de “Garganta Profunda” foi realizada em 2013 e ajuda a ter uma dimensão do fenômeno cultural que foi “Garganta Profunda”. O filme dá conta de narrar a trajetória da atriz que era vítima de violência de seu marido e que eventualmente virou uma voz contrária à indústria pornográfica.

“Pagando bem, que mal tem?” (EUA, 2008)

Cena do filme
Divulgação
Cena do filme "Pagando bem, que mal tem?"

Nesse filme de Kevin Smith, Seth Rogen e Elizabeth Banks fazem dois amigos que estão falidos e resolvem fazer um pornô caseiro na expectativa de levantar alguma grana. Trata-se de uma paródia divertida, cheia de participações especiais e referências pop. De quebra, antecipa a tendência dos pornô amadores .

 “9 to 5: Days in pornô” (EUA, 2008)

Reprodução/Youtube
Reprodução/Youtube
Reprodução/Youtube

O documentário tem como objetivo prover um insight sobre uma das mais controvertidas e bilionárias facetas da indústria do entretenimento: a pornografia. O filme proporciona detalhes e histórias de bastidores, mas acaba resultado em um retrato majoritariamente simpático, com pouco espaço para controvérsias.

“Public sex, private lives” (EUA, 2013)

Reprodução/Youtube
Reprodução/Youtube
Reprodução/Youtube

O doc acompanha a vida de performers da pornografia, majoritariamente atrizes, desbravando a rotina, angustias, desejos e realizações de quem vive e respira sexo. Inclusive, um dos pontos altos do filme é justamente a problematização que faz da relação dessas pessoas com o sexo propriamente dito.

“Depois que o pornô acaba” (EUA, 2012)

Reprodução/Youtube
Reprodução/Youtube
Reprodução/Youtube

Com uma sequência prometida para 2017, esse documentário é o que o nome entrega. Uma análise algo cruel da vida de ex-atores e ex-atrizes da indústria pornográfica. É interessante ver como a pornografia pode ser um capítulo decisivo ou apenas uma nota de rodapé na vida das pessoas.  

“Hot Girls Wanted” (EUA, 2015 )

Divulgação
Divulgação
Divulgação

O documentário, que ganha sequência na Netflix neste mês, mostra a engenharia de atração de jovens meninas para a pornografia, como a internet atua como facilitadora nesse contexto e os perrengues que elas atravessam para entrar no universo do pornô.

“Kink” (EUA , 2013)

Reprodução/Youtube
Reprodução/Youtube
Reprodução/Youtube

O documentário aborda o site fetichista Kink.com. O filme é produzido por James Franco e tenta entender como o Kink se tornou um dos maiores impérios da internet e como se estabeleceu como referência em matéria de pornô e fetiche na rede. Sadomasoquismo é só começo dessa história. Acredite!

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.