Malu Mader aposta em carreira de sucesso do artista
Reprodução
Malu Mader aposta em carreira de sucesso do artista


Malu Mader foi madrinha de Ipojucan Ícaro, participante do programa "No limite", na ONG Spectaculu, no Rio de Janeiro. Em 2014, a atriz acompanhou de perto o desenvolvimento do mineiro de 29 anos na escola sem fins lucrativos fundada em 1999 pela atriz Marisa Orth e pelo cenógrafo Gringo Cardia e que oferece cursos nas áreas técnicas de arte e tecnologia. Nesse período, Ipojucan se formou na oficina de Adereços de Cena, voltada para o ensino da confecção de objetos cenográficos e adornos de figurino.

 Hoje, Ipojucan é artista circense, com passagem pelo Circo Crescer & Viver, da capital fluminense, e atualmente integrante do coletivo Circo no Ato, também no Rio de Janeiro. Malu Mader declara torcida para o afilhado e espera que ele invista na carreira de ator após a participação no reality show.


 "Tenho certeza que ele vai acabar indo também aqui para a profissão da madrinha. Tenho certeza que ele vai acabar atuando e fazendo muita coisa linda por aí", afirmou Malu Mader, em vídeo publicado nas redes sociais. "Mas estou aqui para dizer que ele é um cara incrível, com uma luz maravilhosa, talentoso, bom astral, estudioso, muito inteiro naquilo que ele faz, dedicado... Então, estou aqui na torcida", acrescentou a atriz.

 Em 2014, num dos encontros com o afilhado e outros alunos da ONG Spectaculu, Malu Mader leu trechos do livro "A descoberta do mundo", de Clarice Lispector, e falou sobre a paixão pela profissão no meio artístico. "Vocação é você ser chamado e não saber como ir. As coisas também escolhem você, não é só você que escolhe as coisas", disse aos alunos, numa citação à Clarice Lispector.

 Ipojucan é integrante da tribo Lua no reality show de sobrevivência. O mineiro foi batizado pelo pai, que é seu homônimo, e tem outro xará na família: o irmão se chama Ipojucan Junior. A origem do nome? O significado é indígena e homenageia o jogador de futebol Ipojucã Lins de Araújo, astro do Vasco na década de 1940.

 — Meu pai era vascaíno doente. Ele queria colocar o nome do meu irmão mais velho de Ipojucan, por causa do jogador, mas minha mãe não deixou — conta o pai do participante do "No limite". — Em 1957, quando o atleta já estava na seleção brasileira, meu pai insistiu e disse: "O próximo filho será Ipojucan". Minha mãe aceitou, porque ela achou que ia nascer uma menina. Só que aí veio outro homem, que sou eu, e fui batizado de Ipojucan em homenagem ao ídolo dele. Depois, quis colocar o nome do meu filho de Ipojucan também porque eu gostava do meu nome, achava diferente e bonito.

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários