Luísa Sonza e Pabllo Vittar são as apresentadoras do
Divulgação/HBO
Luísa Sonza e Pabllo Vittar são as apresentadoras do "Queen Stars"

Quem acompanha a cena drag no Brasil espera há anos por um programa de competição entre drag queens brasileiras. Esse momento finalmente chegou: no dia 24 de março estreia "Queen Stars", na HBO Max, um reality show musical com apresentação de Pabllo Vittar e Luísa Sonza. O projeto conta com 20 drags competindo entre si. Foram selecionadas artistas de diferentes regiões do Brasil e dos mais variados estilos musicais,

Pabllo Vittar é hoje uma das maiores drag queens do mundo, mas antes de "ir longe demais", a cantora também já foi fã e se inspirou em "RuPaul's Drag Race", reality show estadunidense de competição entre drag queens e com fãs pelo mundo inteiro. Hoje, Pabllo se vê na frente das câmeras do "Queen Stars" e comemora a possibilidade de poder inspirar outras pessoas. "Quando olho para minha história e olho para a história das meninas do programa, vejo coisas parecidas. Isso que eu quero para o Brasil, quero que as pessoas se inspirem, saiam das suas bolhas e façam realmente o que elas querem fazer", diz a cantora.

Para Pabllo, outra grande oportunidade que enxerga com o "Queen Stars" é poder entrar nas casas brasileiras e conversar com as famílias. "Sempre penso nas crianças e adolescentes que ainda vivem no escuro, que ainda vivem no armário. Sempre imagino as pessoas assistindo o programa com os pais e com as mães e falando: ‘Isso é talento, meu filho pode ser assim’. Porque eu tive uma mãe virou para mim e falou: ‘você vai ser cantora’", explica Vittar.

Pabllo, que é uma artista de fora do eixo Rio-São Paulo e traz referências regionais para as novas produções, diz que teve a oportunidade de trocar referências e aprender com as drags ao longo do reality, principalmente com as do Norte e Nordeste. "Foi um grande mix. Imagine que a HBO é um grande liquidificador e nós somos as frutinhas gostosas", brinca.

Leia Também

Para Diego Timbó, empresário do ramo musical e um dos jurados do programa, é essa diversidade entre as participantes que diferencia o "Queen Stars" de outros realities com drag queens e que pode mostrar para o mundo o que é a arte drag brasileira, uma vez que o programa será disponibilizado em outros países onde a plataforma de streaming está presente. "Tem gente do Norte, do Nordeste, e cada um traz consigo, além da sua história, a cultura, que se mistura com a cultura pop e com a cultura queer. Tem artistas de todas as sonoridades, do samba ao brega, ao sertanejo, e isso enriqueceu muito o nosso projeto", diz Timbó.

Entre  no canal do iG Gente no Telegram e fique por dentro das principais notícias dos famosos e da TV

Sem medo de cancelamento

Por mais que faça parte da comunidade LGBTQIA+, Luísa Sonza fala que não se sentiria confortável em apresentar o programa sozinha sem Pabllo, pois não é drag. Entretanto, ela garante que não tem medo das críticas que podem vir por ela ser uma mulher no comando de um reality show focado em drag queens.

"Desde quando eu tenho medo de recepção de público? Sempre me senti confortável e acolhida nesse lugar. Faço parte disso, estou ao lado da Pabllo, que é uma das minhas maiores inspirações. As coisas vão muito além do que os haters podem defender. Acho que não me sentiria confortável em fazer sozinha, mas com a Pabllo eu me senti muito mais confortável e entendendo o meu lugar. Foi muito especial desde o início", finaliza a cantora pop.

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários