O MC e mais 14 foram acusados de promoverem aglomerações
Reprodução/Instagram
O MC e mais 14 foram acusados de promoverem aglomerações


Delegacias de Repressão aos Crimes de Informática e de Combate às Drogas da Polícia Civil identificaram e pediram a prisão de 14 responsáveis por organizar bailes funks durante o carnaval no Rio de Janeiro. Entre eles estão MC Poze, DJ Markinho do Jaca e MC Negão da BL.


Segundo a polícia, eles são acusados de crimes de infração de medida sanitária preventiva, epidemia e associação ao tráfico de drogas. A investigação aponta que as festas são realizadas a céu aberto nas comunidades, sob controle, autorização e responsabilidade de grupos criminosos que comandam as áreas.

Você viu?

A polícia informa ainda que os envolvidos "aumentam seus ganhos ilegais com a realização de tais eventos clandestinos". Confira a lista de acusados por organizar e se apresentar em eventos nas comunidades:

Comunidade do Jacarezinho – Evento: Carnaval do Jaca

  • Marcos Almeida da Costa – DJ Markinho do Jaca;
  • Leonardo Helcias Andrade Cardoso - o Leo
  • Denílson Rodrigues Ferreira - DJ Denilson do Chapadão;
  • Adriano de Souza Freitas, vulgo Chico Bento, líder da quadrilha de narcotraficantes da localidade.


Comunidade da Pedreira – Evento: Pedra Folia

  • Luiz Cedro da Silva Junior - o Júnior;
  • André dos Santos Saraiva - DJ Andrezinho da Divisa;
  • Rodrigo Santos Silva - DJ RD San;
  • Rene de Freitas Lopes Araujo, vulgo Coelho da Pedreira, líder da quadrilha de narcotraficantes da localidade.


Comunidade do Castelar – Evento: Baile do Castelar Especial de Carnaval

  • Marlon Brendon Coelho Couto da Silva – MC Poze do Rodo;
  • Rangel da Silva Castro;
  • Jose Carlos dos Prazeres Silva, vulgo Cem ou Piranha, líder da quadrilha de narcotraficantes da localidade.


Comunidade de Acari - Evento: Acari Folia

  • Mateus Bento de Souza - negão da BL;
  • Gerson Rezende Sampaio e Silva;
  • Alexsander Mesmer Fernandes, vulgo Formigão, líder da quadrilha de narcotraficantes da localidade.

Segundo a polícia, os acusados descumpriram decretos municipais e estaduais que determinam a suspensão de atividades que envolvam aglomeração de pessoas, além de desrespeitar a Lei do Silêncio e tocar músicas que fazem apologia ao crime. 

"Os organizadores utilizam equipamentos de som de grande potência cujos decibéis ultrapassam em muito o limite legal estabelecido, propagando-se a quilômetros de distância, perturbando o sossego da coletividade, no período entre as 22:00hs e 07:00hs da manhã do dia seguinte, expondo crianças, adolescentes e adultos ao nefasto conteúdo, visto que, em sua grande maioria, são tocadas “músicas” de produção clandestina (proibidões) que fazem apologia ao crime ou a criminosos, sendo também tema recorrente o sexo, a violência, o tráfico e o uso de drogas".

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários