Tamanho do texto

A confusão envolve a novela "Bom Sucesso", que ocupa a faixa das 19h

A Rede Globo ganhou em 1ª instância uma ação movida por um homem que alegou que estava sofrendo dano moral por conta da novela “ Bom Sucesso ”. Isso porque, o nome dele é José Bom Sucesso e, segundo ele, o título da novela estaria gerando situações constrangedoras a sua família. De acordo com o UOL , por conta disso, o homem entrou na Justiça pedindo uma indenização de R$ 19,9 mil.  

Leia também: Repórter da Globo é furtada no Rio enquanto trabalha 

Paloma e Alberto em arrow-options
Divulgação/TV Globo
Paloma e Alberto em "Bom Sucesso"


Na ação movida por José Bom Sucesso, ele alegou que a Globo “vem utilizando seu sobrenome indevidamente em título de novela, uma vez que não possui autorização para isso”. Ele também apontou que “vem sofrendo constrangimento pela utilização e exposição do sobrenome de sua família em rede nacional”.

Leia também: Funcionários da Globo planejam protesto contra demissões em massa

Além da ação , José fez um Boletim de Ocorrência com as mesmas alegações descritas no processo judicial. Em sua defesa, a Globo explicou que o título da novela não possui nenhuma ligação com o José e apenas faz uma referência ao bairro de Bonsucesso, do Rio de Janeiro, local onde a protagonista Paloma (Grazi Massafera) mora com a família na trama.

Decisão do juiz

Ainda segundo o UOL , após ouvir os dois lados, o juiz responsável pelo caso, Cléverson de Araújo, julgou improcedente o pedido de indenização de José. Para o juiz, ficou claro que não há ligação entre o nome da novela e o sobrenome do homem que se sente lesado.

Leia também: Atrizes da Globo negam acusação de assédio moral contra Marcius Melhem

“O autor tem o mesmo sobrenome que um bairro do Rio de Janeiro que inspirou a novela produzida pelo réu. A produção artística não tem nenhum vínculo com o autor, não explora sua imagem, tampouco lhe causa qualquer espécie de dano. Não há nem sombra de motivo que justifique indenização. Vergonhosa, para dizer o mínimo, a pretensão reparatória deduzida. Diante do exposto, julgo improcedente o pedido”, decidiu Cléverson. José Bom Sucesso ainda pode recorrer dessa decisão.