Tamanho do texto

Atriz esteve no "Encontro" dessa quarta-feira (14) e falou sobre sua autoestima. Taís também conheceu casal que grafitou seu rosto no Guarujá

Taís Araújo foi uma das convidadas de Fátima Bernardes no “Encontro” desta quarta-feira (14). A atriz revelou que sua autoestima às vezes a deixa na mão e tem dias que acorda com vontade de alisar seu cabelo.

Leia também: Após foto com Viola Davis, Tais Araújo curte encontro com Denzel Washington

Taís Araújo revela que arrow-options
Reprodução/TV Globo
Taís Araújo revela que "tem dias que acorda com vontade de alisar o cabelo"

Por ter falado sobre isso nas redes sociais, Taís Araújo já foi criticada por uma seguidora. “Ela veio me dizer que a minha autoconfiança estava abalada. Eu respondi: ‘Amor, ela está sempre abalada, é uma construção”, relembra.

Durante a conversa, o “ Encontro ” falou com um casal fã da atriz e eles contaram que fizeram um grafite com rosto de Taís no Guarujá, litoral de São Paulo. “Agora quando eu estiver abaladinha eu vou lá para o Guarujá”, brincou.

Ao encontrar Taís, mulher, chamada Leila, ficou muito emocionada e até chorou ao contar que sente uma grande admiração pela atriz. Fátima Bernardes acrescentou que Leila e o marido fizeram o mural com o rosto da atriz para exaltar a representatividade negra na arte.

“Ela [Leila] foi uma menina que sofreu muito bullying. Então, te ver alcançando tudo que você alcançou é uma referência”, Fátima explicou para Taís. “Muitas meninas e mulheres me falam isso, que eu inspiro elas, mas hoje eu sei que elas que me inspiram o tempo inteiro”, disse a atriz.

Leia também: Globais promovem série e não temem polarização política: "somos cascudas"

Taís Araújo conhece Leila, que grafitou rosto da atriz no Guarujá arrow-options
Reprodução/TV Globo
Taís Araújo conhece Leila, que grafitou rosto da atriz no Guarujá


Leia também: Taís Araújo vai participar de evento em homenagem a Denzel Washington

No palco, Taís Araújo falou sobre como as meninas negras têm os cabelos alisados pelas próprias mães e aceitam aquilo como o certo, ficando sem saber como é um cabelo sem química. “O ideal seria a pessoa poder escolher. Olhar no espelho e decidir como ela quer sair na rua, mas porque ela quer daquele jeito e não para seguir um padrão imposto”, pontuou.