Tamanho do texto

"Viver do Riso" foi transmitida em 2018 no Viva e estreia na Globo na próxima segunda-feira (1). A atriz falou sobre série que reverencia o humor

A partir de segunda-feira (1º), um dos sucessos do canal Viva , “Viver do Riso” ganha uma nova versão para a Globo . Reeditado e com novas imagens, a série documental da atriz Ingrid Guimarães, passa a ser exibida depois do “Jornal da Globo”.

Leia também: Ingrid Guimarães brilha em cena exclusiva do filme "De Pernas Pro Ar 3"

Ingrid Guimarães fala sobre sua série
Globo/ Paulo Belote
Ingrid Guimarães apresenta "Viver do Riso"


A nova programação da Rede Globo tem mais programas voltados para o humor. Em 2019, a emissora decidiu apostar mais no humor e até levou um novo quadro para o “Fantástico”, o Isso a Globo Não Mostra. A série de Ingrid Guimarães chega para completar o time de humor do canal.

O programa da atriz foi reeditado e com novas imagens do arquivo. Em cinco episódios a série mostra como é a participação da mulher no humor, como elas discutem os limites do gênero, relembram duplas mais marcantes e homenageiam Chico Anysio.

“Eu tenho 25 anos de carreira e, sem dúvida, ‘Viver do Riso’ é um dos meus projetos mais importantes. Fiquei dedicada a ele durante um ano inteiro, entrevistei 90 pessoas, foi uma experiência pessoal transformadora. Quero que seja um registro histórico e daqui 50 anos, mesmo que eu não esteja mais aqui, meus netos vejam como o humor foi importante para esse país”, declarou Ingrid.

Leia também: Desbravando a história da comédia, Ingrid Guimarães comanda série no Viva

Assim como o programa de Tatá Werneck, “Lady Night” do Multishow que faz parte do Globosat, a série “Viver do Riso” foi transmitida em 2018 no Viva e agora faz companhia ao “Lady Night” e começa a ser transmitido na TV aberta. Serão cinco episódios, de 1 a 5 de abril, e o primeiro será uma homenagem a Chico Anysio.

A Rede Globo tem pensado em aumentar sua audiência colocando na programação produções que foram sucesso em canais fechados do grupo. Outro elemento dos programas de humor da emissora, é o fim do “Tá No Ar” e uma nova era do “Zorra” que começa no dia 13 de abril.

A principal vontade de Ingrid ao produzir a série, é que fique registrado durante anos em diversas plataformas. “Somos um país sem memória e não apenas no que diz respeito ao humor. Quero que esse registro fique em várias plataformas para que, daqui a 10 anos, se a minha filha precisar pesquisar sobre humor para um trabalho da faculdade, encontre esse material como facilidade”, declara.

Quando questionada sobre como o projeto nasceu, a humorista falou que foi sobre como a sociedade enxerga a comédia como “o primo pobre da arte”. “É um projeto absolutamente pessoal, que veio de uma questão minha de, aos 45 anos e já tendo feito de tudo, refletir sobre como vou envelhecer nessa profissão”, afirma.

“Viver do Riso” mostra mais o lado da mulher no humor e a própria Ingrid confirmou que o episódio das mulheres no gênero é o seu preferido. “ou atriz de uma geração de transição. Passei pela fase em que a mulher comediante ainda era coadjuvante, época em que os programas de comédia eram feitos só por homens”, contou.

Leia também: Ingrid Guimarães comemora férias com a filha em Nova York

Ingrid Guimarães estreia série na Globo
Divulgação
Ingrid Guimarães se destaca na série documental


“Não tínhamos referências de mulheres no humor. Como isso sempre me incomodou, fiz a minha própria história. Criei o ‘Cócegas’ com a Heloisa Perissé, uma peça super contemporânea;  fiz o ‘De Pernas pro Ar’, um dos primeiros filmes em que a mulher comediante era a protagonista e fala de prazer e sexo;  participei e estava presente em várias mudanças no humor”, completou.

Além de produzir e entrevistar outras pessoas, Ingrid também dá seu depoimento na série e confessou que isso não estava nos planos. “No meio do projeto, a diretora Tatiana Issa me disse que ia mudar tudo: ‘Você vai dar o seu depoimento também’. Eu falei que não ia, que era coisa ego trip”, explicou que tentou contrariar sua diretora.

“Mas ela disse que eu tinha muita propriedade sobre o assunto, foi na minha casa, colocou uma luz bem baixa na minha sala, conversamos durante quatro horas e ela gravou tudo”, concluiu. Durante seu depoimento, Ingrid ainda falou que foi ali que ela percebeu que já tem 25 anos no humor e conseguiu enxergar toda sua trajetória.

Ingrid Guimarães ainda explicou que a intenção não era fazer um programa sobre ela, e por isso a resistência em dar seu depoimento. “Não queria que fosse um programa sobre mim, mas que eu fosse um canal para homenagear as pessoas. Quando comecei a falar, fiquei muito emocionada”, finalizou.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.