Tamanho do texto

William Waack concedeu sua primeira entrevista após a demissão da Globo, tornou a pedir desculpas a quem se sentiu ofendido, mas reiterou ter dito uma "bobagem" em um ambiente de amigos e que não é racista

Após um período de recolhimento, o jornalista William Waack lançou-se em uma campanha midiática nesta semana. Após o artigo publicado na Folha de São Paulo no domingo (14), o jornalista concedeu sua primeira entrevista após a demissão na Globo ao jornalista Augusto Nunes na TV Veja . “Eu fiz uma brincadeira. Entre amigos quem é que não fala merda? Eu falei merda”, disse o ex-âncora do "Jornal da Globo". “Eu fiz uma piada idiota”.

Leia também: William Waack se defende de acusações de racismo e critica a Globo em artigo

William Waack durante entrevista concedida a Augusto Nunes
Reprodução/Veja
William Waack durante entrevista concedida a Augusto Nunes

O jornalista teve espaço e tempo para discorrer em uma entrevista que durou pouco mais de 20 minutos. Indagado se tornaria a falar algo do gênero, ele disse que não se deixará policiar pelo politicamente correto. “Entre amigos eu continuo sendo a mesma pessoa. Não serei cerceado pelo politicamente correto. O que eu tenho que respeitar é a dignidade, a opinião e a liberdade do outro”, afirmou William Waack .

Leia também: Responsáveis por divulgar vídeo de William Waack falam sobre imagens: “revolta”

O jornalista evitou criticar abertamente a Globo e mais de uma vez citou o fato de ter chegado a um entendimento com a emissora e ressaltou que tanto ele como a Globo assumem a postura de não comentar o episódio. No entanto, assim como fizera no artigo da Folha ressaltou enxergar um grande desafio para as empresas de comunicação em plena era digital em que “grupos organizados, esses canalhas do linchamento, como brilhantemente classificou o filósofo Luiz Felipe Pondé, estão preocupados apenas em tirar de nós brasileiros um caráter nacional, que é essa irreverência”.

Leia também: Cauã Reymond e Mariana Goldfarb não dividem mais o mesmo teto

Waack, no entanto, criticou a capa que a revista Veja deu para o episódio. “Faltou visão”, observou. Para ele, a revista tentou “ficar bem com gritarias”. Questionado sobre o que diria aos rapazes que divulgaram o vídeo, William Waack disse que estenderia a mão. “Acho que eles são figuras menores em um processo histórico maior”. O jornalista agradeceu o carinho e o apoio dos jornalistas Heraldo Pereira e Glória Maria, colegas da Globo .

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.