Aylenn, Cecille e Pernilla foram as vítimas do golpista
Reprodução/Instagram
Aylenn, Cecille e Pernilla foram as vítimas do golpista


Lançado pela Netflix, o 'Golpista do Tinder' gerou diversas reações nas redes sociais. O documentário conta a história de Shimon Hayut, investigado por esquema de golpes praticado no Tinder. Na plataforma, ele se apresentava como Simon Leviev. 


O golpista dizia no aplicativo que era herdeiro de um magnata do ramo de diamantes. Assim, ele seduzia mulheres e depois tirava dinheiro delas afirmando correr perigo, pois os "inimigos nos negócios estavam atrás dele". Ele chegou a roubar pelo menos US$ 10 milhões (R$ 52 milhões) de vítimas.

No documentário, três mulheres contaram a própria versão da história e como descobriram que sofreram um golpe. Aylenn Charlotte, Pernilla Sjoholm e Cecilie Fjellhøy foram enganadas da mesma forma por Shimon e pagam empréstimos que lhe fizeram até hoje aos credores. 

Após o lançamento do documentário, na semana passada, as três mulheres, até então anônimas, estão sentindo o gosto da fama. Ayleen, que não movimentava seu Instagram, voltou com tudo e hoje tem quase 15 mil seguidores. Pernilla, que dá início a história, tem quase 90 mil, e Cecilie já soma 81 mil. E o número de cada uma segue aumentando.

Além disso, as vítimas se tornaram grandes amigas. Além de interagirem umas com as outras nas redes, em 2021 Cecilie e Pernilla viajaram juntas até a Grécia. O país foi o primeiro destino que Shimon levou Pernilla para viajar como amigos, usando o dinheiro de Cecilie. Dessa vez, as duas foram até o país para se divertirem. Em uma das fotos compartilhadas por Pernilla, ela diz que ambas são "melhores amigas". 

Ayleen também é amiga das outras duas vítimas, mas é mais reservada nas redes sociais. No Instagram, a publicação mais recente é de uma selfie, usando um par de óculos de Shimon. "Sim, esses são os óculos dele", disse na legenda.

Leia Também


Leia Também

Leia Também

Ela, que trabalha com moda, contou no documentário que após descobrir o golpe, fingiu acreditar nele, pegou roupas de marca de Shimon e vendeu para "arranjar dinheiro enquanto ele não pudesse fazer mais negócios", já que Shimon havia sido denunciado na mídia europeia na época. 

Ao invés de repassar o dinheiro para o "namorado", Ayleen deu um 'golpe no golpista' e vendeu boa parte das peças de grife para pagar parte da dívida dela com credores. Na página do Instagram de Ayleen, há um link para uma vaquinha on-line criada no domingo (6).

O objetivo é de ajudar ela e as outras duas vítimas do Simon. Mais de 20 mil libras foram arrecadadas, na conversão, esse valor é de R$ 144 mil. O objetivo é de arrecadar 600 mil libras, que equivalem a mais de R$ 4 milhões. 

Cecilie fundou uma instituição de caridade na Noruega para ajudar mulheres vítimas de fraude. Não há nenhuma publicação na página ainda. 

E o golpista do Tinder?

Golpe virou assunto nas redes sociais após documentário na Netflix
Reprodução/Instagram
Golpe virou assunto nas redes sociais após documentário na Netflix


Simon — ou Shimon — segue com a página do Instagram ativa. Ele foi solto após cinco meses de prisão em Israel, 2019, e logo voltou para a vida de luxo que apresentava no Tinder e agora mostra no Instagram. Nos stories, ele tenta desmentir as vítimas e diz que a Netflix mente. 

"Se eu sou uma fraude, por quê eu iria atuar na Netflix? Eu quero dizer que eles deveriam ter me prendido quando eles estavam filmando. É hora das madames começarem a falar a verdade", disse nos stories. Ele publica vídeos e fotos com o mesmo estilo de vida que o documentário mostrou. 

"Se você não pode dar-lhes o mundo que eles querem, eles vão transformar o seu em um inferno", disse e logo contou que irá contar o mundo a verdade. A página com 130 mil seguidores dele foi desativada pelo Instagram, mas ele tem outra, criada há três dias, com mais de 106 mil. Já no Tinder, o perfil do golpista foi apagado da plataforma após a repercussão do documentário. 

** Luiza Lemos é jornalista, especializada na cobertura de entretenimento e celebridades. No iG desde 2020, escreve para o iG Gente, mas já passou pelas editorias de Delas, Queer, Receitas e Turismo. Da praia para a serra, é de Santos e formada na Universidade Metodista de São Paulo. Além de escrever, é sommelier de memes, adora televisão e não deixa uma boa fofoca deixar de ser comentada.

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários