Quantas vezes você viu a imagem? Ele aparece atrás dos apresentadores de notícias durante o noticiário, é distribuído em folhetos impressos e passa por tweets após tweets. Pode até aparecer nos seus sonhos.

Leia também: Apresentadora do SBT é diagnosticada com o novo coronavírus

Alissa Eckert, Dan Higgins/CDC arrow-options
Alissa Eckert, Dan Higgins/CDC
A ilustração médica que deu um "rosto" à Covid-19

Mas para Alissa Eckert — uma ilustradora médica do Centro de Controle e Prevenção de Doenças (CDC) que ajudou a criar o que se tornou a representação icônica do novo coronavírus — começou como apenas mais uma tarefa.

Em 21 de janeiro, um dia após o CDC, uma agência do governo americano, ativar seu centro de operações de emergência para o novo coronavírus, Eckert e seu colega Dan Higgins foram solicitados a criar "uma identidade" para o vírus. "Algo para chamar a atenção do público", disse ela. Eckert esperava que qualquer coisa que eles criassem aparecesse apenas em alguns noticiários da TV a cabo, como foram com suas criações tinham no passado.

Em vez disso, à medida que a pandemia se espalhou e se intensificou, o alcance de suas renderizações também. "Começou a aparecer em todo o mundo", disse ela.

Ao longo dos anos, Eckert, Higgins e seus colegas adotaram uma variedade de abordagens para ilustrar vírus. Às vezes, eles representam um vírus com seu vetor principal — a página sobre zika do CDC, por exemplo, destaca os mosquitos. Ou eles se concentram nos sintomas do vírus, como fizeram no Ebola.

Mas, para a ilustração do coronavírus , eles escolheram o que os artistas médicos profissionais chamam de "pose fatal": um close detalhado e individual.

Leia também: Para alertar sobre coronavírus, personagem Cascão aparece lavando as mãos

"Chamamos atenção apenas para o vírus", disse ela.

O novo coronavírus, como todos os vírus, é repleto de proteínas que lhe conferem caráter e características. Existem as proteínas S — os aglomerados vermelhos na imagem — que permitem que o vírus se ligue às células humanas. As proteínas E, representadas por migalhas amarelas, ajudam a entrar nessas células. E as proteínas M, mostradas em laranja, dão ao vírus sua forma.

Após pesquisar e consultar cientistas, Eckert e Higgins os encontraram no RCSB Protein Data Bank, um repositório de estruturas de proteínas. "Nós extraímos isso e o compilamos em um software de visualização, onde eles podem mover cada peça", disse Eckert.

Então, onde outros retratistas podem sobrepor a pintura, a equipe distribui os programas. Um software, o Autodesk 3ds Max, é "onde toda a mágica acontece", disse Eckert. "Nós pensamos nele como nosso estúdio de fotografia." Lá, eles organizaram as partes do vírus e testaram diferentes cores, texturas e iluminação.

Leia também: Vizinhos de Mariana Ferrão a acusam de promover a própria imagem com coronavírus

A imagem levou cerca de uma semana para ser concluída — um desenvolvimento rápido, disse Eckert. Ela espera que seu sucesso estabeleça um padrão, disse ela: da próxima vez que um novo vírus precisar ser ilustrado, ele provavelmente terá uma chance de tirar uma foto.

E certamente se espalhou por toda parte. Ela viu sua ilustração transformada em biscoitos e peças de tricô. Um conhecido recentemente disse a Eckert que a imagem o assombra em suas ocasionais viagens ao supermercado.

Ela ficou feliz em ouvir isso. "Está lá fora, fazendo o seu trabalho."

    Veja Também

      Mostrar mais