A segunda noite de desfiles do Grupo Especial de São Paulo foi um pouco mais tranquila do que a de sexta-feira. Sem grandes imprevistos, a noite foi marcada pela estreia do renomado carnavalesco Paulo Barros, que comandou a apresentação da Gaviões da Fiel. A Mocidade Alegre e Vila Maria também foram outros grandes destaques da noite.

Leia também: Atrasos e trânsito de carros alegóricos marcam primeira noite de desfiles em SP

Sabrina Sato arrow-options
Agência O Globo/Anderson Lira
Sabrina Sato é a rainha de bateria da Gaviões da Fiel


A primeira a se apresentar foi a campeã do Grupo de Acesso de 2019, Pérola Negra . Apesar de ter 40% das fantasia perdidas no alagamento, que aconteceu em São Paulo no último dia 10, a escola conseguiu fazer um desfile colorido e animado no Anhembi. Mas, vale lembrar que a Liga das Escolas de Samba (LIESA) decidiu que o quesito fantasia não será critério de desempate e detalhes de sujeira não serão considerados.

Na sequência, foi a vez da Colorado do Brás contar a história de Dom Sebastião, Rei de Portugal, com o enredo "Que Rei Sou Eu?". Camila Prins fez história na avenida por ser a primeira rainha de bateria transsexual do Grupo Especial de São Paulo.

A terceira e uma das grandes favoritas da noite, Gaviões da Fiel , contou com o trabalho do carnavalesco Paulo Barros, já conhecido pelas suas vitórias com as escolas de samba do Rio de Janeiro. Em comemoração dos seus 50 anos, a escola corintiana fez a avenida pegar fogo com samba-enredo “Um não sei que, que nasce não sei onde, vem não sei como e explode não sei porquê”, que aborda os casos de amor sem fim, paixões loucas, sonhos de liberdade e luta por ideais.

Leia também: Paulo Barros, Marielle e ciganos: o que esperar dos desfiles de São Paulo

Mesmo com os gritos de "É campeã" para a Gaviões, a Mocidade Alegre não se abalou e mostrou que quer voltar a receber o grande título do Grupo Especial. A agremiação entrou para o páreo com a corintiana ao exibir o poder das mulheres e dos orixás. Além do samba que estava na boca do público da arquibancada, o segundo carro alegórico da escola, que usou 5 mil litros de água reutilizada, bolhas e visual marítimo em referência a Iemanjá, rainha dos mares, foi um dos queridinhos da noite.

Já a Águia de Ouro entrou na avenida com duas heranças da Gaviões da Fiel para mostrar a trajetória do conhecimento humano. Depois de 20 anos, Tati Minerato estreou como musa da escola em companhia com o carnavalesco Sideny França. A escola trouxe para abordou os lados bom e ruim do uso da sabedoria.


A escola da Zona Norte, Unidos de Vila Maria levou, para o Sambódromo, dragões e diversos adereços chineses para homenagear a China. A agremiação espera conseguir, pela primeira vez, seu título de campeã e para isso contou com a presença da ex-BBB Jaqueline, que sambou na frente do segundo carro, sobre invenções da China como papel higiênico, bússola e fogos de artifício.

Leia também: Vigário Geral abre desfile no Rio com Bolsonaro de "Bozo" e fazendo arminha

Por fim, a Rosas de Ouro encerrou já na madrugada de domingo (23) a série de desfiles de São Paulo com o enredo "Tempos Modernos" sobre tecnologia. As fantasia com chip e código de barra, os robôs na avenida, a passista virtual, o carro em realidade aumentada em 3D e o samba cantado pela perspetiva de um robô abandonado por uma criança fizeram a arquibancada vibrar.

    Veja Também

      Mostrar mais