Tamanho do texto

Em entrevista, Rodrigo Costa falou sobre a relação com Carlos e Eduardo Bolsonaro antes da política e os motivos que levaram ao fim do grupo musical

No último domingo (22) foi ao ar uma entrevista com Rodrigo Costa, ex-baixista Forfun, banda carioca que encerrou-se em 2015. Durante o papo com o  Diário do Rio , o músico falou que o fim do grupo se deu por divergências políticas. Segundo ele, os integrantes tinham "viés de esquerda", enquanto ele se identificava com a direita. Amigo de Carlos e Eduardo Bolsonaro, que frequentavam os shows antes de seguir carreira política, ele também falou da relação com os correligionários.

Leia também: Rock in Rio: Bolsonaro é vaiado durante show de Alok

Rodrigo Costa arrow-options
Divulgação
Rodrigo Costa


Leia também: Paulo Coelho critica governo Bolsonaro: "Nunca vi nada igual"

"O Forfun sempre teve um viés mais de esquerda, político e tal, e eu fui me tornando um elemento fora dessa coisa, porque, apesar de a faculdade quase não mostrar conteúdo que não fosse desse viés mais de esquerda --Instituto de Filosofia e Ciências Sociais, que doutrina alunos e não ensina de forma equilibrada--, mesmo que eu estivesse dentro desse instituto, eu consegui, com o pouquinho que certos professores me mostravam, despertar esse interesse por um outro lado da coisa que eu não conhecia direito", afirmou Rodrigo Costa, amigo da família Bolsonaro .

Leia também: Marcelo de Carvalho apoia discurso de Bolsonaro no Twitter

Há algum tempo, internautas descobriram que os filhos do presidente, Carlos e Eduardo Bolsonaro , eram muito próximos da banda . Eduardo chegou a aparecer em clipes, como História de Verão