Tamanho do texto

Filme enseja nova e arejada fórmula para um gênero espremido por franquias milionárias e mudanças de comportamento; leia a crítica

Em uma era de franquias, correção política e feminismo, uma comédia romântica precisa se reinventar para não surgir datada. “Casal Improvável” é expressão de uma fórmula que pode ajudar a resgatar esse gênero outrora favorito em Hollywood.

Leia também: Comédias românticas vivem renascença no cinema com fase empoderada

Casal improvável
Divulgação
Seth Rogen e Charlize Theron em cena de "Casal Improvável"

O filme de Jonathan Levine (“50%” e “Sexo, Drogas e Jingle Bells”) reúne pitadas de escatologia à moda dos filmes estrelados por Seth Rogen, um pano de fundo político, uma mulher independente e bem resolvida que não precisa de homem para se legitimar e ótimas referências do mundo pop. Essa combinação faz de “Casal Improvável” um filme não só divertido, como bastante inteligente.

Seth Rogen é Fred Flarsky, um jornalista idealista que trabalha para um veículo de mídia alternativa e que fica sem rumo profissional quando este jornal é comprado por um magnata da comunicação decalcado de Rupert Murdoch e vivido com gosto por Andy Serkis. É justamente nesse momento que ele reencontra Charlotte Field ( Charlize Theron ), que foi sua babá e hoje é secretária de Estado dos EUA, que é presidido por um ator canastrão vivido por Bob Odenkirk.

Leia também: Almodóvar brinca com os limites da autoficção no lindo e delicado “Dor e Glória”

Field vai se lançar na disputa pela Casa Branca e resolve trazer Fred para seu staff de comunicação. A reaproximação mexe com as perspectivas políticas e emocionais de ambos e provoca um reboliço digno de toda e qualquer comédia romântica que se preze.

Casal improvável
Divulgação
Seth Rogen e Charlize Theron em cena de Casal Improvável

O que diferencia fundamentalmente o longa estrelado por Rogen e Theron não é necessariamente o casal improvável que eles formam, em essência o gênero se construiu sob essa premissa, mas a maneira contemporânea com que posiciona a mulher e seus anseios na trama.

Além do mais, a bem urdida bifurcação com demandas e angústias políticas de uma geração mais politizada oxigena a estrutura do filme. A grande sacada do esperto roteiro não está tanto nas ótimas referências à cultura pop, mas em amarrar as expectativas de renovação política aos anseios afetivos dos protagonistas.

Leia também: Com “Atômica”, Charlize Theron entra de vez para a lista de estrelas de ação

“Casal Improvável” se resolve, portanto, como um romance, uma divertida crítica ao status quo, e uma afirmação de que as mulheres podem curtir comédias românticas e se sentirem representadas por elas.

Ficha Técnica

Nome original: Long Shot

Gênero: comédia romântica

Duração: 125 minutos

Classificação Etária: 16 anos

Direção:  Jonathan Levine 

Roteiro:  Dan SterlingLiz Hannah

Elenco: Charlize Theron , Seth Rogen , Bob OdenkirkAndy Serkis e O´Shea Jackson Jr .

Site oficial

Data de estreia: 20/06/2019