“Black Mirror” é uma série que foi se impondo aos poucos no imaginário cultural. A criação de Charlie Brooker, cuja quinta temporada estreia nesta semana na Netflix, é uma antologia imaginativa sobre a relação do homem com a tecnologia, mas não se restringe apenas a isso. É um ensaio sobre as circunstâncias do que é ser humano e as variáveis, frequentemente perversas, que a tecnologia agrega.

Leia também: Listamos as teorias mais piradas sobre "Black Mirror" no Reddit

Black mirror
Divulgação
Cartazes de episódios de "Black Mirror"

Desde que chegou à Netflix, a série só acumulou fãs, ainda que tenha eventualmente começado a se repetir. Um exercício contumaz a partir de então passou a ser criar, ou descobrir, a próxima “Black Mirror” .

De antologias com propostas parecidas a dramas que viajam pelo terror e ficção científica, conheça as melhores séries para quem é fã de “Black Mirror”.

“Eletric Dreams”

A antologia do Amazon Prime Video adapta contos de Philip K. Dick e versa sobre a experiência humana no futuro, mas a intervenção da tecnologia é mais pontual e menos essencial aqui. A primeira temporada, que conta com diversos atores tarimbados como Bryan Crastons, Laura Linney, Vera Farmiga, Greg Kinnear, Anna Paquin, entre outros, está toda disponível na plataforma de streaming. Ainda não há confirmação a respeito de uma segunda temporada.

Leia a crítica: "Electric Dreams" imagina reação da humanidade em versões soturnas do futuro

“Osmosis”

A produção francesa da Netflix chegou há pouco no catálogo. Criada por Andrey Fouché, esse drama de ficção científica ambientado em uma Paris do futuro mostra uma realidade em que um aplicativo de relacionamentos, o Osmosis do título, decodifica o amor verdadeiro. Do mapeamento cerebral à manipulação genética, a série propõe um debate intenso, ainda que bem à moda europeia, sobre os limites da ciência e nossos anseios por pertencimento.

“Love, Deaths & Robots”

Essa antologia animada criada por David Fincher e Tim Miller é uma das grandes surpresas da Netflix em 2019. A série com 18 episódios curtos, com duração entre 3 e 17 minutos, subverte diversas matizes narrativas. Com animações de diferentes estilos e uma narrativa que congrega violência, sexo, filosofia e espiritualidade, a produção gira em torno dos temas que estão no título e deixa o público com um gosto de quero mais.

Leia a crítica: Animação para adultos, "Love, Death & Robots" radicaliza conceito seriado

“Humans”

Criada e exibida pelo mesmo canal responsável por “Black Mirror” e “Eletric Dreams”, o Channel 4”, “Humans” é exibida no Brasil pelo canal pago AMC. A produção explora uma realidade em que a inteligência artificial está bastante consolidada no cotidiano e em que robôs atuam em tarefas de segunda e terceira classe. Há diversas questões morais e emocionais que a série traz ao longo de suas quatro ótimas temporadas.

“Altered Carborn”

A ficção-científica da Netflix é o cruzamento perfeito entre “Blade Runner” e “Black Mirror” ao ofertar conflitos em um futuro em que a tecnologia parece ter desbravado a imortalidade. Na série, ambientada em um futuro longínquo, o corpo humano é apenas uma casca descartável e a memória é arquivada em um drive. Os ricos podem fazer clones e comprar “cascas” melhores.

É nessa realidade que um mercenário, vivido por Joel Kinnaman na 1ªtemporada, é tirado da hibernação a qual foi condenado para investigar o assassinato de um matusa, como são chamados os ricos e imortais em referência ao personagem bíblico Matusalém (que viveu quase mil anos).

Assim como "Black Mirror" , "Altered Carborn" ganha nova temporada em 2019.

Leia a crítica: Imperfeita, "Altered Carbon" é ficção científica com coração, fibra e tutano

    Veja Também

      Mostrar mais