Tamanho do texto

Longa-metragem é o nono escrito e dirigido pelo renomado cineasta; Além disse, era um dos mais esperados do tradicional festival de cinema

Uma das estreias mais aguardadas do 72º Festival de Cannes, “Era uma vez em Hollywood” , o novo filme do cineasta Quentin Tarantino , foi exibido nesta terça-feira (21) na Riviera Francesa. E, a julgar pelas primeiras reações dos críticos, vem um novo sucesso por aí. 

Leia também: Cannes vê dimensão política do feminino ganhar voz na competição oficial

Era uma vez em Hollywood
Divulgação
Cena de "Era uma vez em Hollywood"

Com estreia prevista para 15 de agosto no Brasil, este é o nono longa-metragem escrito e dirigido por Quentin Tarantino — e um dos últimos a serem anunciados pelo Festival de Cannes como um dos concorrentes à Palma de Ouro. Era o momento mais aguardado da mostra iniciada na última semana: Tarantino, Brad Pitt e Leonardo Di Caprio pisaram no tapete vermelho da La Croisette recebidos como heróis, aclamados pelo público que os aguardava desde as primeiras horas da manhã.

Leia também: Marina Ruy Barbosa faz graça enquanto dirige em viagem a Cannes

O cineasta e os dois atores, pela primeira vez juntos em um filme, posaram, elegantes em seus smokings, ao lado da colega de elenco, a atriz Margot Robbie , vestindo um conjunto de lantejoulas com calça preta e top branco, arrematado por uma flor rosa.

O filme é “feito de lembranças, um pouco como 'Roma', que foi um filme de memórias para (Alfonso) Cuarón”, disse no tapete vermelho Tarantino, ao lado da esposa, a cantora Daniella Pick. Cannes “mudou a vida” do diretor americano, de 56 anos. “Vim primeiro com ‘Cães de aluguel’, como pequeno cineasta independente, e depois dei a volta ao mundo”, lembrou.

Também no tapete vermelho, Pitt se desmanchou em elogios a Tarantino: “É um prazer trabalhar com ele, não pode ser comparado a ninguém (...) Conhece de forma exaustiva o cinema” e o filme para ele é “uma carta de amor a Hollywood, a Los Angeles”.

O longa se passa na Hollywood de 1969, em meio à onda de assassinatos cometidos por Charles Manson e seus seguidores. Di Caprio interpreta a estrela de televisão Rick Dalton, enquanto Pitt é o seu fiel dublê, Cliff Booth. Eles lutam para encontrarem seus lugares nos últimos dias da chamada Era de Ouro de Hollywood. Com atuação muito elogiada pelos críticos, Margot Robbie é Sharon Tate, vizinha de Dalton — e uma das vítimas de Manson.

Era uma vez em Hollywood
Divulgação
Cena de Era uma vez em Hollywood

A Variety  lembrou que “como acontece com a maioria dos filmes de Tarantino, as coisas tomam um rumo sombrio e violento a partir daí”. E contou que aos créditos finais se seguiram seis minutos consecutivos de aplausos em pé por parte do público presente. Pitt e a atriz britânica Tilda Swinton, que não atua no filme, foram vistos emocionados após a estreia.

Assim que terminou a exibição, críticos correram para publicar suas primeiras impressões. Alguns fizeram comparações diretas com o estilo de “Pulp Fiction”, um dos grandes sucessos de Tarantino — e vencedor da Palma de Ouro há exatos 25 anos. O crítico Jason Gorber chegou a dizer que o cineasta pode ganhar seu segundo prêmio em Cannes por “Era uma vez em Hollywood”: “Historicamente duvidoso, tematicamente brilhante, Tarantino encontra sua forma em um filme que pode ganhar a Palma de Ouro ou ser aclamado pelo público, ou talvez ambos. Obra prima, provocativa, com humor negro e intensamente inquietante”, classificou.

Já o The Guardian  também qualificou a película como “uma brilhante comédia de humor negro”. O site especializado Deadline  avaliou que Tarantino “nasceu para fazer este filme”, “glorioso” e “divertidíssimo”. 

Jordan Ruimy, do site World of Reel , afirmou que Tarantino “não estava brincando quando disse que este era o filme em que chegou mais perto de ‘ Pulp fiction ’”: “Ele manipula um mosaico de personagens e linhas de história no filme, finalmente amarrando-os para um final implacável e divertido”. Chris Knight, do National Post  também mostrou empolgação: “Eu ri. Eu suspirei. Eu pensei: o que Roman Polanski (marido de Sharon Tate na época do assassinato) acharia? Tarantino faz um ode à inocência perdida de Hollywood, enquanto insolentemente sugere que ela nunca existiu, para começar”.

Leia também: Diretor belga afirma que "fanatismo não é algo exclusivo do islã"

Alguns deles, porém, alegaram que precisavam de mais tempo para digerir o novo trabalho de Tarantino, vencedor de dois Oscars pelos. Foi o caso de Kyle Buchanan, do The New York Times : “Vão vir muitas opiniões quentes sobre o novo Tarantino, mas eu não me importo em deixar a minha esfriar um pouco mais no balcão”. O crítico afirmou que o filme exibido no Festival de Cannes é “mais relaxado do que eu esperava” e elogio a atuação de DiCaprio como “fantástica, engraçada e pungente”: “O resto, eu vou ponderar”.