Inspiração de um dos principais personagens da série “O mecanismo”, o ministro da Justiça Sérgio Moro foi um dos alvos do diretor José Padilha durante o lançamento da segunda temporada da produção, que ficcionaliza os bastidores da operação Lava-Jato.

Leia também: Ana Hickmann rebate comentário contra Moro e faz crítica velada a Lula

José Padilha falou de Sérgio Moro durante lançamento da segunda temporada de
Divulgação
José Padilha falou de Sérgio Moro durante lançamento da segunda temporada de "O Mecanismo"


De acordo com o criador da série, Moro “deve estar arrependido de suas escolhas” após abandonar a carreira de juiz para ingressar no governo do presidente Jair Bolsonaro. "No momento atual, o Bolsonaro não tem maioria no congresso. Ele está lutando para aprovar suas reformas e usando o Moro como moeda de troca", disse José Padilha .

"O Moro passou de herói nacional a salame fatiado e entregue em pedaços para o centrão, para aprovar a reforma da previdência. É assim que eu vejo o futuro da Lava-Jato", completou o diretor em referência a concessões feitas pelo ministro, como a decisão de retirar o crime de caixa 2 de seu projeto anticrime.

Leia também: Zezé Di Camargo posa ao lado de Sérgio Moro e divide opiniões nas redes sociais

Padilha, no entanto, afirma não se arrepender da forma como o personagem inspirado em Moro, o juiz Paulo Riggo, foi retratado na primeira temporada da série. Para ele, a produção “segue um caminho histórico”. Na nova temporada, o personagem aparece cada vez mais envaidecido pela fama, e há críticas a decisões de Moro como a de divulgar o áudio da gravação entre os ex-presidentes Lula e Dilma Rousseff.

Sergio Moro
Divulgação
Sergio Moro


Você viu?

"É uma série inspirada em eventos reais, que acontece no tempo. Eu e a torcida do Flamengo vimos vários jogos em que o goleiro Bruno agarrava e achávamos maravilhoso. Depois disso, ele cometeu um assassinato. Agora, quando o Bruno agarrava pênalti, eu não podia reclamar dele porque não sabia do assassinato que ele ia cometer", comparou o diretor.

Padilha destacou que, em dois artigos publicados recentemente, direcionou suas críticas à Sérgio Moro , e não à Lava Jato como um todo. Ele classificou a escolha do juiz de integrar o governo como “burrice incrível”.

"Eu sugeri que ele pedisse o boné quando viu que o Flávio Bolsonaro estava envolvido com o Queiroz, que por sua vez é ligado com à milícia e ao submundo do crime", disse.

Sem problemas no som

Intérprete do doleiro Roberto Ibrahim, vagamente inspirado em Alberto Yousseff, o ator Enrique Diaz afirmou entender as críticas em relação à primeira temporada.

"Vejo uma mudança de uma temporada para a outra, ao mesmo tempo em que corrobora a tese do Padilha (de que a corrupção não se limita a um partido)", avalia. "Mas acho que ela não tira a marca que a primeira temporada, de corroborar um discurso antipetista que, naquele momento, era decisivo. Essa marca não sai. Era uma eleição em que o antipetismo era essencial e deu nessa cagada monstro que estamos vendo agora".

Já o protagonista Selton Mello, que vive o ex-policial Marco Ruffo, se queixou dos ataques direcionados aos atores durante a repercussão da primeira temporada.

"Quero defender nossos colegas. Esse é o nosso trabalho, a liberdade de expressão não é seletiva. Achei um pouco triste e um pouco patético os atores apanharem. As dubiedades estão na série, mas a gente vive uma época em que todo mundo tem certeza de tudo", disse Selton.
O ator comentou também críticas mais técnicas dirigidas à série, marcada em sua primeira temporada pelo som ruim.

Leia também: Monica Iozzi ironiza decisão de Sérgio Moro em post no Instagram

"Foi um problema de mixagem. É isso mesmo, mixaram errado, entenderam mal. Agora que mixaram certo, as pessoas vão entender. O que aconteceu é que, como o Brasil começou a fazer série tarde, mixaram para o cinema. Quando a pessoa vê no iPad, mata isso, e aí dizem que é o Selton que fala errado", revelou o ator da série de José Padilha .

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários