Os problemas de saúde de Beth Carvalho, que morreu nesta terça-feira (30), aos 72 anos no Rio de Janeiro,  já contavam mais de uma década, com idas e vindas a hospitais e CTIs. O último capítulo da saga aconteceu em setembro de 2018, quando ela se apresentou deitada ao lado do grupo Fundo de Quintal , comemorando os 40 anos do clássico disco "Pé no chão". 

Leia também: Cantora Beth Carvalho morre no Rio de Janeiro

a cantora Beth Caravlho
Divulgação / Agência o Globo
Beth Carvalho, a madrinha do samba


Beth Carvalho passou por longas internações, como entre 2012 e 2013, quando ficou 11 meses no hospital. "Vou virar uma sambista biônica", brincou ela à época, sem perder o bom humor.

Na época, parafusos ortopédicos foram aplicados em sua coluna para corrigir problemas que lhe causavam desconforto e fizeram com que sua vida nos palcos ficasse limitada.

No carnaval de 2012, a sambista desfilou pela Mangueira , mas precisou sentar-se em alguns momentos por conta das dores. Sua imagem sentada no carro alegórico dedicado à Velha Guarda da escola se tornou comum nos desfiles. Antes, em 2011, ela já havia passado 18 meses em repouso total, para se recuperar de outras cirurgias na coluna.

Leia também: A vida e carreira de Beth Carvalho, a madrinha do samba, em imagens

"O samba cura!"

Beth Carvalho
Divulgação / Agência o Globo
Beth Carvalho, a madrinha do samba

Em 2013, Beth escreveu um texto como colunista convidada da "Revista O GLOBO":

"Há quem duvide, mas é a mais pura verdade: o samba cura! E a fisioterapia faz milagre! E não é papinho, não. O samba é a minha vida, sempre foi. É uma paixão que começou na infância, com 6 anos eu já ia a bailes de carnaval.

Leia também: Famosos lamentam a morte da cantora Beth Carvalho

Inclusive meus amigos Arlindo Cruz, Sombrinha e André Rocha foram certeiros na letra “Quem foi que falou que o meu samba / Não tem o poder de curar / Na certa não sabe o que o samba é capaz de fazer”. Depois de ficar “de molho” por mais de um ano, voltei a sentir a grande emoção que trilha minha vida há 48 anos. Pisar no tablado do Vivo Rio, no último dia 7 de setembro, foi o meu grito de independência em ritmo de samba. Foi sentir meu coração batendo com a força do surdo da Mangueira, com tantos outros corações numa imensa bateria. Foi uma alegria sem fim!Ali de cima do palco vi gente chorando, e confesso, me emocionei junto".

Uma grande amiga, Elisa Lucinda escreveu que a noite foi como uma catarse coletiva. Foi isso mesmo, como se tivéssemos visto um filme cheio de reviravoltas, com final feliz. Não preciso nem dizer qual seria a trilha sonora, né? Foi uma pausa apenas, pra aprender a respeitar o tempo que o corpo estava pedindo. Eu tenho certeza de que o que me manteve firme sem deixar a peteca cair foram a minha família e meus amigos. O hospital acabou virando uma extensão da minha casa: recebi muitas visitas, fiz reuniões políticas, gravei faixas em discos de grandes nomes do samba, fiz feijoada de aniversário, pagode...

Até o Grammy Latino e o Prêmio da Música Popular Brasileira vieram até mim por lá. E já que não pude desfilar na Acadêmicos do Tatuapé, que me homenageou com um lindo enredo este ano, colei os olhos na televisão e vi tudo, cada detalhe.Esse tempo me proporcionou novos amigos, e fiz questão da presença de cada um deles no show: médicos, enfermeiras, auxiliares, fisioterapeutas.

    Veja Também

      Mostrar mais