Tamanho do texto

Este ano o festival terá o maior número de headliners LGBT de todos os tempos. O iG Gente falou com um fã e com a cantora Liniker sobre o assunto

Um dos festivais mais aguardados do ano está chegando, provido de muita diversidade, o Lollapalooza 2019 será o mais LGBT de todos os tempos.  A prova está no line up, que é recheado de headliners, nacionais e internacionais, assumidamente do arco-íris.

Leia também: Lollapalooza Brasil tem preços mais altos que festivais internacionais

undefined
Divulgação
Com headliners LGBTQI+, 2019 será a edição mais inclusiva do Lollapalooza Brasil

Dentre os LGBT que estão confirmados no Lollapalooza  estão os britânicos Sam Smith e a banda Years & Years, que é liderada pelo vocalista Olly Alexander; o sul-africano Troye Sivan ; a norte-americana Anne Erin Clark; e os  brasileiros Liniker e os Caramelows e Luiza Lian.

Leia também: Lollapalooza libera line-up com Kendrick Lamar, Tribalistas e Arctic Monkeys

Pode parecer pouco, principalmente, levando em relação que por dia o festival têm mais de 10 atrações em diferentes palcos. Porém, em 2018, por exemplo, o número era menor: foram apenas três representantes do arco-íris, sendo que um deles, TropKillaz, não era composto por homossexuais, mas sim por DJ’s gay friendly, ou seja, amigos da causa.

undefined
Reprodução / Instagram
Liniker é uma das representantes LGBT+ no Lollapalooza deste ano

No ano anterior, em 2017, o evento teve menos representantes ainda, contando apenas com a norte-americana Melanie Martinez e o brasileiro Jaloo, que não tem gênero definido.

Ao iG Gente a banda Liniker e os Caramelows, veterana do evento,  falou sobre a expectativa de se apresentar em uma edição que ficará marcada por sua diversidade: “Vai ser muito importante, algo bonito de se ver e especial. Espero que todo mundo esteja de olho, de casa ou ao vivo”, disseram a vocalista e Baroni, integrante do grupo, em coro.

Sobre esta ser a edição mais colorida do Lolla, Liniker demonstra orgulho, mas não canta vitória: “É assim que as coisas têm de funcionar, temos que ter mais disso [representatividade] nos eventos. Só assim teremos mais propostas como essas”.

undefined
Reprodução / Instagram
Troye Siva, cantor sul-africano assumidamente gay, se apresentará no Lollapalooza

Questionada se, em sua visão, via o festival como um evento que abraça a causa do arco-íris, a vocalista da banda Liniker e os Caramelows se esquiva, mas declara que, abraçando ou não, nas edições em que participou pôde notar pluralidade de público.

“Eu não fui o público do Lolla, mas ano passado, por exemplo, eu pude ver que tinha várias pessoas de vários lugares, cada um de seu jeito e de tribos diferentes”, comenta.

Por outro lado, o portiguar Lucas Álvarez, de Água Nova, que comprou ingressos para conferir de perto o show de Sam Smith, Troye Sivan e Liniker acredita que o Lolla seja um festival inclusivo, mas não aposta todas suas fichas nisso.

undefined
Reprodução / Instagram
Sam Smith, assumidamente gay, é um dos destaques do Lollapalooza deste ano

“Não sei se foi algo de propósito [a escolha do line up], eu acredito que não, pois Lolla é um festival bem alternativo, então acho que eles não tem essa distinção de artistas. Talvez tenha sido uma coincidência, mas para nós [homossexuais] é uma coincidência perfeita”.

O pensamento de Lucas sobre o evento ter escalado um time colorido sem querer ganha mais musculatura ao notarmos que em meses de divulgação o festival não veiculou nenhuma publicidade com este mote. Muito pelo contrário.

Em seguida, ele fala do público. “Este será meu terceiro ano e a galera é bem de boa, são bem alternativos e investem no look mesmo. Também são totalmente livres e sem preconceitos".

Com um novo álbum recém-lançado, “Goela Abaixo”, a banda Liniker e os Caramelows pretende transmitir o auto-amor através de sua arte. Após passar maus bocados na apresentação do ano passado, quando o festival teve problemas técnicos, este ano os integrantes do grupo se mostram “confiantes” e “sedentos”.

undefined
Montagem / Portal iG Gente
Será que o Lollapalooza é tão inclusivo assim?

“Eu estou bem tranquila”, confessa Liniker. Já Baroni não deixa a ansiedade passar batida: “Como ela vem de um ciclo, é mais fácil lidar, mas com certeza nós estamos com sede de continuar o que começamos no ano passado”. Já Lucas, que irá apenas pelos artistas LGBT, se mostra animado: “Ansioso demais para fazer parte de algo histórico”.

Leia também: Leia também: Lollapalooza 2018 divulga bandas que tocarão em cada dia

O Lollapalooza Brasi l deste ano acontece entre os dias 05 e 07 de Abril. Como manda a tradição, o evento será realizado no Autódromo de Interlagos, na zona Sul de São Paulo.

    Leia tudo sobre: músicas