Tamanho do texto

Lançado no Dia Internacional da Mulher, novo álbum de Bárbara Eugênia propõe experiência imersiva na fase de uma cantora sem medo de experimentar e ciosa de seus afetos

Ouvir Perdi, segunda faixa de “Tuda”, quarto disco de Bárbara Eugênia, lançado nesta sexta-feira (8), Dia Internacional da Mulher, é uma experiência poderosa. Em meio a guitarra e a bateria eletrônica, uma viagem boêmia do disco pop ao tecnopop com uma brasilidade irresistível, característica essa que sempre pautou a obra da cantora.

Leia também: Lady Gaga, Beyoncé e as mulheres mais influentes do Twitter

Álbum de Bárbara Eugênia propõe experiência imersiva na fase de uma cantora sem medo de experimentar e ciosa de seus afetos
Marcos Villas Boas
Álbum de Bárbara Eugênia propõe experiência imersiva na fase de uma cantora sem medo de experimentar e ciosa de seus afetos


Depois de “Journal de Bad” (2010), “É o que Temos” (2013), “Frou Frou” (2015) e um par de álbuns colaborativos, “Tuda” parece ser a soma das partes de  Bárbara Eugênia . É um trabalho esteticamente vistoso, em que a cantora explora sonoridades e ritmos sem deixar de se reconhecer na própria arte e ser reconhecível para aqueles que já estão com ela há algum tempo.

Leia também: Programas de TV que valorizam a multiplicidade feminina

Perdi, notavelmente um dos pontos altos do disco, talvez não seja nem mesmo a melhor faixa do disco. Aliás, elegê-la é um exercício difícil. Não estranhe a tentação de mudar de preferida a cada audição, principalmente se o ouvinte tiver um fraco pela sonoridade latina.

O carimbó caribenho Confusão, por exemplo, tem a participação do DJ Tide, cujas bem-vindas bases eletrônicas rimam com a guitarra do paraense Felipe Cordeiro deixam a música mais convidativa ao corpo e incrivelmente sensual.

Já Bagunça, primeiro single do novo trabalho combina essa latinidade tão em carne viva com a disco music setentista e às batidas pop da década seguinte. O feat com Zeca Baleiro sai faísca e parece daquelas criações possíveis apenas para uma artista experimentada.

O álbum traz ainda a primeira canção em espanhol de Bárbara. Por La Luz y Por Terra tem a participação da banda argentina Onde Vaga e ratifica a percepção de uma artista convicta de sua trajetória e disposta a correr riscos – e eles valem a pena. A faixa Sol de Verano, uma balada charmosíssima composta por Carlos Colla e Luís Alberto Ferri, também é cantada em espanhol.

Leia também: Samba do Congo faz encontro de compositores para incentivar cultura do paulista

Das participações especiais a epopeia musicada, " Tuda " é um disco de detalhes sedutores e apresenta uma  Bárbara Eugênia  envolvente, segura e apaixonante nos afetos memorados e na espiritualidade abarcada por sons tão divagantes e insinuantes.