Tamanho do texto

Filme estreia nos cinemas brasileiros nesta quinta (7). Saiba pelo que esperar

A espera está próxima do fim. Nesta quinta-feira (7) finalmente chega aos cinemas brasileiros “Capitã Marvel”, o 21º filme do Universo Cinematográfico Marvel (MCU, na sigla em inglês), se considerarmos “O Incrível Hulk” (2008) e “Homem-Aranha: De Volta ao Lar” (2017) coproduções com Universal e Sony respectivamente.

Leia também: A Guerra Santa de Steven Spielberg contra a Netflix

Capitã Marvel estreia nos cinemas brasileiros nesta quinta-feira (7)
Divulgação
Capitã Marvel estreia nos cinemas brasileiros nesta quinta-feira (7)

"Capitã Marvel"  é o primeiro do estúdio, comprado pela Disney em 2011, ambientado nos anos 90 e protagonizado por uma mulher. A escolha de Brie Larson , que superou nomes como Ronda Rousey, Natalie Dormer, Taylor Schilling e Abbie Cornish, se deu em 2016 e detonou uma das pré-produções mais demoradas do estúdio.

O longa é o pit-stop final antes de “Vingadores: Ultimato” que encerra a fase três do estúdio no cinema e deve redefinir todo o universo, que agora recebe os personagens que estavam licenciados para a FOX (Quarteto Fantástico e os mutantes).

Não é apenas uma história dos anos 90

Sim, o filme é ambientado nos anos 90 e será conhecido como um dos primeiros a trabalhar a nostalgia por aquela década depois do boom oitentista em Hollywood. Há a música, as referências cênicas (o pager de Nick Fury é um achado), mas a grande razão para o filme ser ambientado nesta década em particular é novamente rearranjar o MCU de maneira criativa e surpreendentemente orgânica.

Aquela cena pós-crédito de “Homem de Ferro” vai fazer muito mais sentido quando os créditos do filme de Anna Boden e Ryan Fleck subirem.

Leia também: Cinco pontos para entender a vitória de “Green Book: O Guia” no Oscar

Este é um filme feminista sim...

Jude Law e Brie Larson em cena do filme
Divulgação
Jude Law e Brie Larson em cena do filme

... E tinha que sê-lo! O longa, todavia, o é de uma maneira muito leve e bem urdida. Sem entalar na militância. Repare na relação de Carol Danvers (Larson), que inicialmente atenderá pelo nome de Vers com seu mentor Yon-Rogg (Jude Law). Ali reside todo um comentário sobre homens controlando mulheres e mulheres se libertando desse controle – e tudo de uma maneira que se ajusta tanto à trama como ao status quo.

#secuidaThanos

Demorou muito para a Marvel fazer um filme sobre uma super-heroína, não é mesmo Viúva Negra? E não acredite nas versões oficiais que o estúdio vai despachar por aí. Todavia, existe uma razão muito clara para Carol Danvers chegar na festa só agora. Ela é uma arma nuclear que viaja na velocidade da Luz muito mais poderosa do que qualquer vingador. Parafraseando Kevin Feige, o presidente da Marvel Studios em declaração recente, as possibilidades são infinitas. Mas daqui pra frente. Antes Thor e Tony Stark não teriam pelo que inflar seus egos.

O clímax do filme não é bom

Essa é um problema dos ditos filmes menores da Marvel. Sim, estamos falando de você “Homem-Formiga”. O clímax deixa a desejar. A sensação eu fica é que as partes que vieram antes – e até a cena final (PRINCIPALMENTE a primeira cena pós-crédito) – são melhores. É uma bagagem ruim para um filme tão significativo e esperado suportar.

Leia também: Filmado com iPhone, "High Flying Bird" devassa bastidores da NBA

Marvel Wars?

Um Skrull em destaque
Divulgação
Um Skrull em destaque

Depois de “Guardiões da Galáxia”, “Capitã Marvel” abre um novo horizonte para o estúdio no espaço e a presença de Ronan (Lee Pace), visto antes justamente no primeiro “Guardiões” é a maior prova disso. Skrulls e Krees têm potencial para cativar a audiência não familiarizada com as HQs e serem fiadores de uma expansão do estúdio por galáxias e dimensões.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.