Tamanho do texto

Filme francês mostra mulher solteira que aceita gerar o filho de um casal de amigos para se descobrir apaixonada durante a gestação, o que detona uma série de inseguranças em todos os envolvidos nessa história

O cinema francês tem a fama de ser um dos mais progressistas da Europa não é à toa e o longa-metragem “O Poder de Diane”, que estreia nesta quinta-feira (18) nos cinemas do Rio de Janeiro, São Paulo, Brasília e Porto Alegre, ajuda a entender o porquê.

Leia também: Crônica urbana "Sem Data, Sem Assinatura" mexe no vespeiro do fatalismo social

Clotilde Hesme é a protagonista de O Poder de Diane: ótima atuação
Divulgação
Clotilde Hesme é a protagonista de O Poder de Diane: ótima atuação

A produção escrita e dirigida por Fabien Gorgeat aborda os novos códigos das relações amorosas e os modelos pós-modernos de família a partir de uma situação que não é necessariamente nova: a barriga de aluguel. Em “O Poder de Diane” , a protagonista, vivida pela ótima Clotilde Hesme, aceitar gerar o filho de um casal de amigos , mas a paixão inesperada pelo eletricista Fabrizio (Fabrizio Rongione) enseja inesperados percalços.

A comédia dramática se organiza em torno das inquietações masculinas. Do casal de amigos, que não sabe exatamente como reagir com a liberdade amorosa da amiga e exercer algum tipo de controle sobre os rumos da gravidez dela, e de Fabrizio, que se ressente da distância que aquela gravidez de aluguel impõe a um momento em que ele e Diane deveriam mergulhar um no outro.

Leia também: Com alma dos anos 90, "A Justiceira" traz Jennifer Garner em orgia de violência

Cena de O Poder de Diane, que estreia nos cinemas brasileiros nesta semana
Divulgação
Cena de O Poder de Diane, que estreia nos cinemas brasileiros nesta semana

Gorgeat investe tanto nos diálogos como nos gestos e nas hesitações e transforma seu filme em um pequeno hino sobre o trânsito de dramas essencialmente pessoais, como a desorientação de descobrir-se mãe para renunciar à maternidade logo na sequência e os impulsos egoístas inerentes a toda e qualquer relação amorosa.

Leia também:Listamos 20 filmes imperdíveis da Mostra Internacional de Cinema em 2018

É um filme que respalda a fama progressista do cinema francês, mas não somente. “ O Poder de Diane” demonstra a sagacidade com que essa cinematografia – e este é apenas o primeiro longa-metragem de Gorgeat – captura o homem e seu universo. Isso tudo em um filme que não pretende qualquer outra coisa que não entreter com graciosidade.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.