Tamanho do texto

Novo filme do cineasta hipster por excelência é declaração de amor à cultura pop japonesa com toda a excentricidade da mise-en-scène do americano

O cinema do norte-americano Wes Anderson é tão peculiar quanto simétrico. Nos temas e na forma. “Ilha dos Cachorros”, seu mais recente longa-metragem, é um exercício de extensão e sensorialidade nesse sentido. Não é a primeira vez que o cineasta trabalha com o stop-motion, mas ele surge mais fluído do que em “O Fantástico Sr. Raposo” (2009).

Leia também: Com The Rock, "Arranha-Céu" é o filme mais bem calculado e divertido do ano

Cena de Ilha dos Cachorros, que estreia nesta quinta-feira (19) nos cinemas brasileiros
Divulgação
Cena de Ilha dos Cachorros, que estreia nesta quinta-feira (19) nos cinemas brasileiros

“Ilha dos Cachorros” traz a encenação característica de Anderson com o adendo do futurismo japonês, há também uma sociedade distópica e comentários sobre a cultura do medo e cibertecnologia. Há flashbacks em animação 2D e os personagens humanos falam apenas em japonês – em muitos momentos sem qualquer tradução. O hipsterismo de Anderson atinge seu grau máximo em um filme que tenta acomodar sua fascinação pela cultura japonesa, seu senso estético aguçado e uma vontade salutar de soar tão contemporâneo quanto milenar.

Essa convulsão estética esfria um pouco o longa-metragem que conta com um time e tanto de dubladores. Bryan Cranston, Bill Murray, Greta Gerwig, Frances McDormand, Edward Norton, Bob Balaban, Scarlett Johansson, Harvey Keitel e até Yoko Ono são alguns dos vultosos nomes a emprestar suas vozes para os personagens, humanos e caninos, do longa.  

Na cidade de Megasaki, o prefeito toma a decisão de banir todos os cães que contraíram a gripe canina e um derivado perigoso do vírus, a febre do focinho. O menino Atari, afilhado do prefeito, se joga na missão de encontrar seu cão na tal ilha do lixão que vira morada dos outrora melhores amigos do homem.

Leia também: Caso Suzane von Richthofen vai virar filme e estreia está programada para 2019

Cena de Ilha dos Cachorros, novo filme de Wes Anderson
Divulgação
Cena de Ilha dos Cachorros, novo filme de Wes Anderson

Humanos robotizados e cães essencialmente humanos marcam a dramaturgia de Anderson aqui. A beleza dos sentimentos e conflitos dos cães, especialmente Chief (Cranston) e Spots (Liev Schreiber), norteia o longa-metragem, ainda que este se resolva de maneira mais cerebral do que emocional.

Leia também: "Batman - O Cavaleiro das Trevas" completa 10 anos e vê força de legado aumentar

“Ilha dos Cachorros” é a estranheza de Anderson no modo fofura , mas sem prescindir do verniz estético que lhe é característico. A se registrar, ainda, sua disposição em viabilizar seu filme como um delicado e impactante haiku.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.