Tamanho do texto

Filme, que estreia nesta quinta-feira (28), parte do assassinato de uma transmulher para demolir fachadas em uma família de classe média carioca

Adaptado do romance homônimo de Luiz Alfredo Garcia-Roza, “Berenice Procura” é tanto um thriller urbano como um noir sofisticado, mas é também um drama de beleza fulminante e impacto emocional incisivo. Mérito da direção de Allan Fiterman , que tem uma bagagem consolidada na TV e que no cinema já dirigiu Marília Pêra na comédia “Embarque Imediato”.

Leia também: Amoralidade é matéria prima do incômodo e honesto “Canastra Suja”

Claudia Abreu em cena de Berenice Procura, filme que estreia nesta quinta-feira (28) nos cinemas brasileiros
Divulgação
Claudia Abreu em cena de Berenice Procura, filme que estreia nesta quinta-feira (28) nos cinemas brasileiros

As obras de Garcia-Roza flagram um Rio de Janeiro sujo, corrupto, desesperançoso e sexual e em “Berenice Procura” essa tônica está presente e pulsante, mas Fiterman é hábil e subversivo na maneira de apresenta-la ao público.

O mistério que move a trama - quem matou a transexual Isabelle (Valentina Sampaio)? -  não é a única fonte de oxigênio do filme que investe suas personagens de tridimensionalidade e contradições. A morte de Isabelle suscita interesse em níveis bem particulares dos membros de uma família de classe média carioca e o longa-metragem extrai sua força dramática a partir dos arranjos e choques que esses interesses fomentam.

Leia também: Paixão entre mulheres em comunidade judaica detona conflitos em "Desobediência"

Eduardo Moscovis: masculinidade ressignificada
Divulgação
Eduardo Moscovis: masculinidade ressignificada

Berenice (Claudia Abreu) é uma mulher que tenta de todo modo se sentir menos fraturada pela rotina. Começou a trabalhar como taxista à revelia do marido Domingos (Eduardo Moscovis), um tipo que parece mais à vontade em destilar misoginia e rancor a cada dia que passa. Ela está frustrada, ainda, em virtude da completa falta de comunicação com seu filho Thiago (Caio Manhente).

O menino frequenta a boate de Greta (Vera Holtz), uma cafetina truculenta que topa qualquer negócio na noite do Rio de Janeiro. Ele frequenta o lugar em virtude de Isabelle, uma das estrelas da casa, com quem estabelece uma doce e delicada relação de amizade e identificação. Isabelle resiste ao assédio de Greta para voltar a se prostituir muito em parte pelo fato de estar vivendo um novo amor e ansiar que a luz do sol possa encontra-lo.

O crime funciona narrativamente em um contexto de apresentar esses personagens cheios de dores e angústias e, nesse sentido, o filme de Fiterman se avoluma dramaturgicamente no mesmo compasso que adentra de maneira mais carnal a mise- en-scène de Garcia-Roza.

A figura de Valentina Sampaio , modelo em seu primeiro momento como atriz, é tão redentora como tumultuosa. A beleza da atriz e sua vertente hipnótica de mulher construída ajudam a dimensionar a convulsão que se dá em torno de sua personagem.

Valentina Sampaio estreia e encanta como atriz em Berenice Procura
Divulgação
Valentina Sampaio estreia e encanta como atriz em Berenice Procura

Quando Valentina canta Amor Marginal de Johnny Hooker uma intensidade crepuscular toma conta da audiência, tornado tudo que o até então era contemplativo, em algo carnal e intrínseco. A atriz, em sua delicadeza e convicção cênica, é o principal motor de tudo o que o filme suscita. Nos personagens, mas principalmente na audiência.

Leia também: Família amaldiçoada é a raiz de todo o terror que emana de "Hereditário"

Na superfície, “Berenice Procura” é um thriller policial com pano de fundo LGBT, mas um olhar mais apurado revela um filme sensível, senhor de personagens vivos e complexos e conflitos tão lacerantes quanto críveis. É um filme com alma, característica que brilha na face mesmerizante de Isabelle.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.