Tamanho do texto

O hit que faz arte do próximo trabalho da banda é praticamente um baião com vocais místicas e coros presentes em canções nordestinas; confira

A banda Mil Pássaros Dançando, que lançará seu novo disco no segundo semestre desde ano, acaba de lançar seu novo videoclipe de Monocromático . A canção retrata a realidade das pessoas desumanizadas pelas ruas da capital paulista.

Leia também:Mulheres negras urgem empoderamento feminino e lutam contra racismo pela música

Mil Pássaros Dançando lança clipe de “Monocromático”
Jéssica Dias
Mil Pássaros Dançando lança clipe de “Monocromático”

Com produção do vocalista Rodrigo Zalc, a música da Mil Pássaros Dançando foi gravada por Taian Cavalca e Hugo Falcão, no Mono Mono Estúdio. A mixagem é de Marcelo Claret e masterização de Carlos Freitas. O hit que faz arte do próximo trabalho, foi gravado com zabumba e sobreposto por todas as pirações do rock progressivo. Confira o vídeo:

Leia também: Com Anitta, Pabllo Vittar e internet, prêmio tenta resgatar público jovem da MTV

Cheia de autonomia a produção resultou em um baião com vocais místicas e coros presentes em canções nordestinas. O vocalista Rodrigo Zalc, explica como foi a criação. “Essa letra surgiu depois de conversar com um homem que tinha acabado de descobrir ter AIDS. Ele estava em uma escadaria, no caminho da minha casa. Me parou, segurando alguns papéis, e explicou toda a sua situação. Dizia que precisava voltar para o nordeste, onde estava a mãe. Lá, pelo menos, teria ‘alguém para o enterrar’”.

Mil Pássaros Dançando lança clipe de “Monocromático”
Jéssica Dias
Mil Pássaros Dançando lança clipe de “Monocromático”

“Essas eram as palavras dele e, depois de ajudá-lo com algumas coisas e explicar que ele não estava condenado à morte, tudo aquilo me subiu na mente misturado à dolorosa realidade que eu via no centro da cidade, quase todos os dias, onde eu estudava”, relata.

Leia também: Rodrigo Santoro será homenageado deste ano no Cine PEF

Ele ainda conta que o maior desafio foi compor uma música forte, mas ao mesmo tempo esperançosa. “O desafio musical, então, foi compor algo que, embora colocasse o dedo na ferida dessa verdade em torno da doença, do crack e tantas coisas mais, trouxesse esperança para as pessoas. É contraditório. Canto tristeza em meio a alegria melódica”, finaliza Rodrigo.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.