Tamanho do texto

Spike Lee retorna à riviera francesa 27 anos após "Febre da Selva" e apresenta um dos filmes mais bem cotados da edição do festival; leia a crítica

Quando a premiere do novo filme de Spike Lee terminou, os aplausos da platéia tomaram conta da sala de exibição no Festival de Cannes . Apesar da aprovação majoritária, houve quem se incomodou não só com a mensagem, mas com com a contudência com que foi exposta em seu arranjo final.

Leia também: De volta a Cannes, Lars Von Trier causa revolta com novo filme

Divulgação
"Blackkklansman"

É importante lembrar que uma crítica feita dentro de um longa-metragem geralmente engloba um recorte social e com isso, sempre há o contexto no qual este recorte está inserido. Essa realidade se aplica ineroxavelmente ao novo filme de Spike Lee .

Leia também: Sete motivos para conhecer Sza, uma das precursoras do neo-soul

A visão de uma mulher branca brasileira dos dias de hoje é, portanto, uma restrição conceitual no olhar ensejado pelo cineasta da América dos anos 70 e de como jovens negros atuavam para conquistar direitos civis básicos. 

Blackkklansman ” se passa nos anos 70 e é baseado na história real de Ron Stalloworth (interpretado por John David Washington), um policial negro de Colorado Spings que com a ajuda de um colega branco (interpretado por Adam Driver), põe em prática o seu plano de destruir o Ku Klux Klan, um grupo focado em trazer a supremacia branca para o poder e que acredita fielmente no White Power.

Spike Lee
Divulgação
Spike Lee

Com essa historia cheia de potencial em mãos, Spike Lee leva o público para um fluxo de narrativa que equilibra o bom-humor, a sátira e ao mesmo tempo, sem medo, sem dedos e sem sutileza, denuncia os problemas do racismo, a corrupção da polícia e a busca pela igualdade.

Em seu plano, Ron vai precisar que um homem branco se passe por ele para infiltrar-se no KKK (Ku Klux Klan), e Flip (Adam Driver) acaba virando seu parceiro.

Não só a dinâmica entre os dois é divertida e bem construída, como ela torna o roteiro ainda mais inteligente e bem encaminhado, pois enquanto somos apresentados aos personagens do Klan, e percebemos o extremismo em seu discurso de ódio e como de fato aqueles seres humanos acreditam em seus pensamentos e na América Branca, vemos o outro ponto de vista da narrativa, e o ranço pelo Klan faz com que queiramos lutar ao lado de Ron - remetendo às lutas atuais das quais não temos lugar de fala, mas tentamos encontrar nosso lugar para ajudar.

O filme é intercalado pelas conversas do Ron Verdadeiro ao telefone com os diretores de Klan e os encontros presenciais que o “Ron Branco” (Flip) participa, o que é maneira perfeita de montar e explorar os discursos de ambos os lados.

Entre esses casos, ao final, unimos as três narrativas paralelas do filme, a luta do Klan, o trabalho de Ron dentro do departamento de polícia e a luta negra pela igualdade de direitos - representada especialmente por Patrice (interpretada por Laura Harrier), de quem Ron se aproxima.

Existem dois pontos altos no longa. O primeiro é a jornada paralela de Flip na narrativa, que introduzido para ajudar na luta de uma outra causa, questiona as suas próprias origens judias e se incomoda com o preconceito, repensando hábitos e cultura.

Mas o grande destaque é mesmo a representação da dualidade de extremos - exaltado em uma cena épica e memorável - entre o White Power baseado em preconceitos e ideias conservadoras, e o Black Power, que busca All Power to All People (Todo O Poder, À Todas As Pessoas, em tradução livre), baseado em história, desejo por liberdade e muita injustiça.

E enquanto o lado dos vilões é representado por um bando de homenzinhos que só enxergam seus próprios umbigos, nossos lutadores tem uma mulher estudante e inteligente em sua linha frente. É lindo!

Mais sobre “Blackkklansman” 

Spike Lee xingou Trump antes da exibição de
Divulgação
Spike Lee xingou Trump antes da exibição de "BlacKkKlansman", que foi muito bem recebido em Cannes

Com um elenco excelente (destaques para Laura Harrier, Jasper Pääkkönen e John David Washington), Spike Lee faz sim caricaturas de muitos personagens e situações, mas tudo torna-se justificável quando se expõe a importância da luta retratada e utiliza-se da sátira metafórica.

O filme é dirigido de maneira tão inteligente que a ausência de conhecimento na história americana não faz diferença, sendo que o contexto é rapidamente apresentado.

Não há sutileza na mensagem exposta pelo cineasta. Ela é clara e martelada em sua cabeça o tempo inteiro, levando inclusive ao final explícito e comparando atos e pensamentos que já eram conservadores nos anos 70, com o discurso de Trump e o ato de ódio que ocorreu em Charlottesville, em agosto do ano passado nos Estados Unidos.

Leia também: Com curadoria de filmes de terror, Blumhouse vira modelo de negócio em Hollywood

Fazendo um bom serviço para a humanidade com sua obra, Spike Lee provou que é um dos poucos que inteligentemente te faz odiar os pensamentos e não as pessoas que o reproduzem, que só há mudança com a luta, que velhos hábitos não mudam o mundo e que roteiro e montagem expositivos e satíricos também lhe farão pôr a cabeça para pensar.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.