Mais de 100 pessoas abandonaram a sessão de “The House That Jack Built”, exibida na noite de segunda-feira (14) no festival de cinema francês

O diretor Lars Von Trier voltou a Cannes depois de uma participação desastrosa em 2011 que o levou a ser banido do Festival. Na época promovendo “Melancolia”, o diretor falou em uma entrevista coletiva que podia “compreender” Hitler.

Cena de
Divulgação
Cena de "The House That Jack Built", novo filme de Lars Von Trier criticado em Cannes pelo excesso de violência

A frase, claro, foi mal recebida e Lars Von Trier passou sete anos sem aparecer na croisette. Porém, o banimento acabou e ele pode apresentar seu novo trabalho no festival, o filme “The House That Jack Built”, estrelado por Matt Dillon, Uma Thurman e Riley Keough.

Leia também: Cannes é marcado por protestos de artistas promovendo igualdade de gênero

Mais uma vez o diretor se envolveu em polêmica nas duas sessões em que o filme foi exibido, para convidados e para a imprensa. É normal que as pessoas abandonem filmes em Cannes, mas no caso do diretor houve uma debandada em um momento específico do filme. Mais de 100 pessoas deixaram a sessão na noite de segunda-feira (14), e outras tantas na exibição para a imprensa.

Violência extrema

Esse não é o primeiro filme do diretor que traz cenas gráficas de violência ou sexo. Pelo contrário, esse tipo de cinema permeia a sua carreira. Porém, o que muitos criticam dessa vez é que o diretor extrapolou os limites, com cenas cruéis de mutilações e assassinatos.

A crítica, no geral, tem sido negativa, com algumas ponderações. A Variety diz que em raros momentos o filme oferece um “temor poético” e, no geral, falha em imergir os espectadores na história.

O Telegraph definiu o filme como “de duas horas e meia de torturas pornográficas auto-reflexivas com um depósito inteiro de McDonald's em cima do ombro, e um punhado de ideias genuinamente provocativas que, irritantemente, não levam a nada".

Leia também: Com boom na animação, cinema brasileiro prospera no segmento em Cannes

Outras polêmicas em Cannes

Spike Lee xingou Trump antes da exibição de
Divulgação
Spike Lee xingou Trump antes da exibição de "BlacKkKlansman", que foi muito bem recebido em Cannes

Lars Von Trier não foi o único a polemizar em Canees, embora mantenha a exclusividade na inimizade. Spike Lee também mostrou seu novo filme “BlacKkKlansman”, e aproveitou para criticar o Presidente americano Donald Trump: “aquele filho da p*** teve a chance de dizer que somos sobre amor e não ódio e aquele filho da p*** não denunciou o Klan”, disse, em referência aos protestos de supremacistas brancos que tem tomado força nos EUA nos últimos meses.

Leia também: Sob pressão inédita, Cannes encara desafio de manter foco sobre o cinema em 2018

Mas, ao contrário de Lars Von Trier , seu filme foi muito bem recebido em Cannes, ovacionado nas duas sessões e com fortes chances de sair premiado do Festival.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.