Tamanho do texto

Buscando se reinventar, Arctic Monkeys se lança no novo em “Tranquility Base Hotel & Casino”, mas sofre para encontrar uma identidade própria

É sempre interessante ver quando artistas buscam novas referências e novos sons em seu trabalho. A gente se renova, amadurece, muda, e nossos conhecimentos e gostos nos acompanham. Por isso, seria injusto renegar um trabalho só por que a proposta dele é ser diferente. Diferente pode ser bom. Mas, no caso do Arctic Monkeys não foi tão bom assim.

Arctic Monkeys continua a busca pelo novo em
Reprodução/Instagram
Arctic Monkeys continua a busca pelo novo em "Tranquility Base Hotel & Casino", lançado na última sexta-feira (11)

Tranquility Base Hotel & Casino ” quase foi um disco solo do vocalista Alex Turner como ele mesmo informou a Revista Mojo e talvez, se tivesse se mantido assim, o disco teria mais êxito. O sexto álbum do Arctic Monkeys , lançado na ultima sexta-feira (11) não é um disco ruim, mas esta longe de ser ótimo.

Leia também: Cachorro Grande comemora marco na carreira com disco de clássicas

 “Eu só quero ser um dos Strokes”. É assim que Alex Turner começa Star Treatment , devaneio do vocalista que não tem refrão, mas se encaixa muito bem como som de lounge, ou a boa e velha música de elevador.

Essa pegada “lounge” e com pouca personalidade se mantém até a quarta faixa, que dá nome ao disco. A partir daí, Turner começa a experimentar com sua voz e, embora funcione, representa um pouco do que o disco é como um todo: uma tentativa de encontrar uma nova identidade.

Leia também: De Camila Cabello a Franz Ferdinand: saiba os discos mais aguardados para 2018

Arctic Monkeys em busca do novo

Arctic Monkeys busca novos sons, mas tem dificuldade em dar personalidade a música em novo álbum
Reprodução/Instagram
Arctic Monkeys busca novos sons, mas tem dificuldade em dar personalidade a música em novo álbum

Esse não é o primeiro, nem o segundo trabalho da banda britânica a gerar certo desconforto nos fãs que aguardam ansiosos pela próxima I Bet That You Look Good On The Dance Floor . Mas a verdade é que esse AM não existe mais, e com "Tranquility" isso fica evidente.

O disco lembra "Suck It and See" na experimentação, mas enquanto o álbum de 2011 resulta em algumas faixas diferentes, porém marcantes, como B rick by Brick e The Hellcat Spangled Shalalala , “Tranquility” passa batido e até funciona em conjunto se você reunir os amigos em casa e quiser algo tocando despretensiosamente ao fundo. Mas, funciona menos se você procurar um hit específico. Talvez por isso a banda tenha optado por não lançar nenhum single em antecipação ao lançamento.

Ainda assim, o trabalho evolui faixa a faixa. Golden Truncks , a quinta do disco, parece ser a primeira que realmente funciona e tem uma identidade própria. Já F our Out Of Five faz melhor uso das habilidades vocais de Turner.

Leia também: Donald Glover lança clipe com violência estilizada como crítica ao racismo

O Arctic Monkeys é inventivo e isso fica claro a cada novo trabalho da banda. Embora “Tranquility” não seja um disco fácil, que cativa na primeira ouvida, ele melhora cada vez que você ouve. Ao menos, o disco deixa uma coisa clara: o Arctic Monkeys do passado acabou e a banda segue buscando esse novo. Tomara que seja melhor no futuro.

    Leia tudo sobre: músicas
    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.