Tamanho do texto

Em "No Seu Pescoço", Chimamanda deixa o leitor imerso no dia a dia dos protagonistas de cada conto, destacando situações que mexem não só com os personagens, mas também com quem os acompanha por meio da leitura

Chimamanda Ngozi Adichie é uma escritora nigeriana que começou a fazer sucesso no Brasil após seus discursos no TED Talk , plataforma virtual de uma organização sem fins lucrativos cujo objetivo é disseminar ideias. Uma destas palestras virou o livro “Nós todos deveríamos ser feministas” e trechos deste discurso foram incorporados à música “ Flawless ”, da cantora Beyoncé.

Leia também: Com humor incômodo, "Eu, Tonya" conta incomum história de 2ª chance desperdiçada

Livro
Monique Santos/iG
Livro "No Seu Pescoço" é a primeira obra que reúne apenas contos de Chimamanda

No Seu Pescoço ” (Companhia das Letras, 2017) é o primeiro livro de contos de Chimamanda publicado no Brasil. A obra fala sobre machismo , violência contra a mulher, violência no cotidiano da Nigéria, guerra, racismo explícito, racismo velado, ideal de vida nos Estados Unidos, visão estereotipada que as pessoas têm da África, relação de poder entre brancos e negros, religião, crenças, sexualidade, entre outros temas.

Cada conto aborda mais de um desses temas, todos eles com uma escrita fluida e leve, mas com um conteúdo denso. Muitos sentimentos são despertados em todas as frases, frases estas que terminam com um ponto final, mas que reverberam dentro do leitor como se fossem mil pontos de exclamação. Chimamanda narra situações difíceis com maestria, tornando palpável o ambiente descrito em cada história.

Leia também: Chimamanda Ngozi lamenta distorções da mídia sobre atuação em música de Beyoncé

Os temas mais presentes nos contos são o machismo, o racismo e a violência, seja ela durante a guerra vivida na Nigéria, entre pessoas da mesma família ou em outras famílias, entre conhecidos. Como não se trata de um romance com uma única história, mostrar a riqueza desta obra é uma missão difícil, mas dois contos deste livro são bons exemplos de como o livro é tocante.

A força da narrativa de Chimamanda

Chimamanda Ngozi Adichie
Reprodução/Metro UK
Chimamanda Ngozi Adichie

No conto que dá nome ao livro, a autora fala diretamente com o leitor, algo que também acontece em “Amanhã é tarde demais”. Todas as outras histórias são narradas na terceira pessoa do singular. A narração do conto  “No Seu Pescoço” consegue atingir o coração daqueles que acompanham tudo o que se passa dentro da cabeça da protagonista Akunna ao ir morar nos EUA e encontrar um homem branco americano que se interessou por ela. O leitor acompanha o processo de adaptação de Akunna ao novo país, a construção da relação entre ela e o homem branco e rico por quem ela se apaixona, como o racismo dele vai se revelando de forma sutil e velada, como as pessoas reagiam (e reagem) ao ver um homem branco com uma mulher negra nos EUA.

No conto “Os casamenteiros”, a protagonista Chinaza narra todas as mudanças que ocorrem em sua vida ao se casar com um nigeriano que era médico nos Estados Unidos. O casamento não foi uma escolha dela, e sim dos seus tios, que cuidavam dela desde que os pais tinham morrido e que consideravam uma “sorte grande” o fato da sobrinha se casar com um homem com este status.

É curioso descobrir que os imigrantes africanos que são personagens das histórias precisavam ter um novo nome ao irem para os Estados Unidos e precisavam também adotar os costumes dos estadunidenses, abandonando automaticamente a maioria dos costumes adquiridos durante a infância e adolescência. Nas atitudes e no discurso de Ofodile (Dave) é nítido que ele não só incorporou o estilo de vida americano como também passou a menosprezar tudo o que vinha do seu país de origem, a Nigéria .

Outro aspecto interessante desta história é a condescendência com a qual Ofodile trata Chinaza, neste caso numa relação entre homem e mulher, mas que também remete à frase dita pela protagonista do conto “No Seu Pescoço” sobre a relação entre brancos e negros: “Você tentou desdenhá-lo [o homem branco que se interessou pela protagonista], e mostrar isso a trazer o pedido dele, pois os brancos que gostavam demais da África e os que gostavam de menos eram iguais - condescendentes.”

Chimamanda não entrega conclusões prontas e mastigadas para quem a lê. Os finais dos contos ficam em aberto, deixando o leitor livre para especular e imaginar o que pode ter acontecido no momento seguinte ao último parágrafo.

“No Seu Pescoço” faz com que tenhamos contato com uma parte da cultura nigeriana , com a visão que eles têm da própria cultura e da cultura norte-americana. É uma ótima recomendação para quem quer fugir da literatura norte-americana/europeia tão disseminada pelo mundo. É uma leitura intrigante e que tira da zona de conforto à qual estamos acostumados, com direito à presença de palavras em igbo (uma das línguas faladas na Nigéria), cujo significado é possível entender através do contexto quando não há a tradução na frase seguinte.

Se a intenção não é mergulhar de cabeça nesta leitura, é melhor não começar, porque Chimamanda vai te abraçar e te envolver com a escrita dela e, quando perceber, já abriu mão de tudo o que precisava fazer para ler todos os contos de uma só vez.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.