Tamanho do texto

Indicado a cinco Oscars, incluindo melhor filme, produção de Greta Gerwig exala feminilidade e afeto ao contar a história de uma adolescente às vésperas de ir para a faculdade na Califórnia do incício dos anos 2000

O cinema independente tem seus artifícios de narrativa e sedução e Greta Gerwig , cria do cinema independente americano, não precisava se desviar deles para entregar um primeiro filme como cineasta oxigenado e iluminado. “Lady Bird: É Hora de Voar”, portanto, congrega em torno de si muitos dos clichês que vemos nos indies americanos, mas traz consigo também uma energia bruta redentora, uma feminilidade extasiante e uma sensibilidade tocante.  

Leia também: Do indie ao Oscar: Dez motivos para amar Greta Gerwig

Saoirse Ronan e Laurie Metcalf, ambas indicadas ao Oscar, em cena de Lady Bird, que estreia nesta quinta-feira (15) nos cinemas brasileiros
Divulgação
Saoirse Ronan e Laurie Metcalf, ambas indicadas ao Oscar, em cena de Lady Bird, que estreia nesta quinta-feira (15) nos cinemas brasileiros

Não é segredo que “Lady Bird” tem muita coisa autobiográfica. Escrito e dirigido por Gerwig, o filme foca em Christine “Lady Bird” McPhershon (Saoirse Ronan), uma adolescente de 17 anos que cresce na cidade de Sacramento na Califórnia. A autobatizada Lady Bird , por isso o nome recebe as aspas, como ela mesma nos explica, quer ser tocada pela arte e se ressente de morar “do lado errado dos trilhos” em Sacramento. Os pais passam dificuldades, mas essa realidade difícil ainda soa abstrata para ela. Justamente por isso, a relação com a mãe Marion (Laurie Metcalf) é tão intensa, polarizada e emocional.

Leia também: Delicado, "Me Chame pelo Seu Nome" contribui para fim do rótulo "filme gay"

A maneira como Gerwig trabalha a relação entre Lady Bird e sua mãe é uma das forças motoras do filme. Cumplicidade, rivalidade, afeto e ressentimento se misturam em tons e sobretons que ganham relevo nas atuações delicadas, mas ainda assim febris, de Ronan e Metcalf. Há algumas cenas, como a que elas discutem e apontam passividade-agressividade uma a outra enquanto escolhem um vestido para o baile de formatura, que só poderiam ser dirigidas por uma mulher. O cinema de Greta Gerwig se mostra ventilado por experiências pessoais. As dela como filha e as dela como figura marcante no cinema independente.

Saoirse Ronan e Beanie Feldstein em cena de Lady Bird
Divulgação
Saoirse Ronan e Beanie Feldstein em cena de Lady Bird

Saoirse Ronan é um vetor poderoso das emoções nem sempre resolutas que a cineasta almeja alcançar com seu filme. As contradições de uma mulher em formação são dedilhadas pela atriz como quem compõe uma música de reconciliação consigo mesma. Nesse sentido, a Lady Bird de Ronan é uma garota atenciosa, de convicções fortes, mas especialmente cruel – como o são a grande maioria das adolescentes nesta fase. E Ronan aborda isso tudo com delicadeza e sensatez.

Outros bons destaques do elenco são Lucas Hedges, como o primeiro namorado que vem de uma família de tradicionais católicos irlandeses, Timothée Chalamet, como um tipo soturno que vai lhe ofertar alguma experiência sexual, Tracy Letts, sempre respeitado e especialmente eficiente nos silêncios, como o pai, e Beanie Feldstein, como a melhor amiga Julie.

Este é um filme de amadurecimento e Gerwig não se furta a apontar os erros da juventude. É, portanto, um cinema que busca certo congraçamento em diferentes esferas. Justamente por isso e por soar tão pessoal para quem quer que assista, especialmente se se é filha ou mãe, que “Lady Bird” se assevera como algo tão singular, ainda que envolvido por clichês tão bem manipulados.

Greta Gerwig orienta Saoirse Ronan e Timothée Chalamet nos bastidores de Lady Bird
Divulgação
Greta Gerwig orienta Saoirse Ronan e Timothée Chalamet nos bastidores de Lady Bird

Leia também: "Lady Bird" é celebração das relações entre mulheres e suas mães, diz diretora

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.