Tamanho do texto

Filme recordista de indicações ao Oscar em 2018 estreia nesta quinta-feira (1º) no Brasil e mostra inusitada história de amor entre uma jovem muda e uma criatura marinha. Filme concorre a 13 Oscars no dia 4 de março

Guillermo Del Toro é um cineasta apaixonante pela maneira com que consegue trabalhar o fascínio que os monstros exercem sobre todos nós e, no cinema em particular, de uma perspectiva totalmente original, criativa e oxigenada. Esse olhar diferente e fluído se verifica até mesmo em filmes que não são dele, mas que de alguma maneira ele está envolvido como “Mama” (2013), “Não Tenha Medo do Escuro” (2010) e “O Orfanato” (2007). “A Forma da Água”, premiado com o Leão de Ouro em Veneza e indicado a 13 Oscars, incluindo melhor filme e direção, é na superfície uma releitura do conto francês “A Bela e a Fera”, que ganhou força e identidade planetária com as versões da Disney. No âmago, porém, este é um filme de Del Toro.

Cena de A Forma da Água, que estreia nesta quinta-feira (1º) nos cinemas brasieliros
Divulgação
Cena de A Forma da Água, que estreia nesta quinta-feira (1º) nos cinemas brasieliros

Leia também: Conheça mais do trabalho dos cinco indicados a melhor diretor no Oscar 2018

Todos os poros de “ A Forma da Água ” exalam não só aquela beleza visual característica do responsável por obras como “O Labirinto do Fauno” (2006) e “A Colina Escarlate” (2015), como a devoção do mexicano pelo cinema. Toda a organização narrativa da película se resolve nesse sentido. Da mudez da protagonista aos arranjos dos coadjuvantes, passando pela arquitetura de bem e mal e a conflagração dos conflitos, tudo no filme remete ao classicismo hollywoodiano, mas com uma roupagem contemporânea.

Leia também: ONGs pedem "Dunkirk" fora do Oscar por usar trabalho de presidiários

Sally Hawkins brilha intensamente em
Divulgação
Sally Hawkins brilha intensamente em "A Forma da Água", indicado a 13 Oscars

Sally Hawkins (encantadora), dá vida a Elisa, essa faxineira que é a princesa dessa história tão incomum. Ela não pode falar e seus únicos amigos são o vizinho gay (Richard Jenkins) e a também faxineira na instalação militar vivida por Octavia Spencer. A negra, o gay e a muda. Estamos nos EUA da guerra fria e da efervescência dos movimentos pelos direitos civis e nossos heróis são figuras tipicamente excluídas, mas Del Toro não flamula bandeiras, ainda que sutilmente dê visibilidade a elas. Este é um filme sobre amor, mas que também prega tolerância e afeto.

Leia também: Oscar 2018: Cinco coisas que você precisa saber sobre Daniel Kaluuya

Elisa se deixa cativar em sua ingenuidade tão linda quanto sedutora por uma criatura anfíbia que chega ao complexo militar em que trabalha. Com a criatura chega também Richard Strickland (Michael Shannon), o militar responsável por decodificar como a criatura pode servir aos interesses dos americanos em uma época pré-corrida espacial. Strickland é um monstro clássico do cinema e a maneira como Del Toro e Shannon – afeito a incorporar tipos estranhos e inadequados – desenvolvem o personagem é especialmente salutar e muita efetiva para os propósitos do longa-metragem.

A relação de encantamento entre Elisa e a criatura logo evolui para algo difícil de rotular, mas que pode ser percebido como amor. E aí está a grande beleza do filme de Del Toro, que logo na cena inicial assume seu caráter fabular na narração do personagem de Jenkins. Repare na elaboração de personagens como o espião russo vivido por Michael Stuhlbarg e no próprio trio indicado ao Oscar formado por Hawkins, Spencer e Jenkins: esta é uma história sobre o triunfo do espírito humano e não há como não reagir positivamente a ela.

A poesia e o encantamento são constantes em
Divulgação
A poesia e o encantamento são constantes em "A Forma da Água"

Nesse contexto, “A Forma da Água” justifica todo o encantamento que tem despertado. É um filme muito afetuoso, muito bonito, muito bem intencionado. É agregador em uma época que o cinema tem refletido com certa apreensão toda a segmentação presente na sociedade. Del Toro e seus monstros subvertem a lógica com realismo fantástico e ofertam empatia como nos clássicos de Frank Capra. 

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.