Tamanho do texto

Filme, que estreia nesta quinta (19) no País, discute liquidez das relações amorosas sob o inusitado prisma da imigração e de dogmas religiosos

Grande fenômeno indie da temporada “Doentes de Amor”  é dessas comédias agridoces que apostam tudo em personagens bem desenhados e conflitos que ecoam no público. Dirigido por Michael Showalter (“Redescobrindo o Amor”), o filme se baseia na história real de Kumail Nanjiani (o Dinesh da série “Silicon Valley”) e Emily Gordon, que assinam o roteiro.

Leia também: iG Gente publica série especial sobre Marvel e DC no cinema

Kumail Nanjiani em cena de Doentes de Amor, que estreia nesta quinta-feira (19)
Divulgação
Kumail Nanjiani em cena de Doentes de Amor, que estreia nesta quinta-feira (19)

“Doentes de Amor” conta a história de amor do comediante paquistanês Kumail (interpretado por ele mesmo) e de Emily (vivida por Zoe Kazan), uma especialista em aconselhamento familiar, que estava iniciando sua carreira como terapeuta. Por um período, eles namoraram, sem acreditar que o relacionamento teria continuidade. 

Leia também: Público de hoje é muito preguiçoso para a proposta de "Blade Runner 2049"?

No entanto, quando Emily é diagnosticada com uma estranha doença e passa dias em coma induzido, Kumail percebe o quanto quer ter essa mulher a seu lado. E, então, começa seu dilema: lutar pelo seu amor ou acatar a tradição de sua família muçulmana conservadora, aceitando um casamento arranjado.

Zoe Kazan e de Kumail Nanjiani em cena de Doentes de Amor
Divulgação
Zoe Kazan e de Kumail Nanjiani em cena de Doentes de Amor

A finesse do roteiro para abordar temas espinhosos como a adequação de um muçulmano nos EUA e o conflito entre a modernidade do país e os costumes milenares da religião é um dos atrativos de um filme permeado de diálogos inteligentes e grandes momentos. Muitos deles estão relacionados a Ray Romano e Holly Hunter, que vivem os pais de Emily, e que desajeitadamente estabelecem uma forte conexão com Kumail.

Produzido por Judd Apatow , que cicerone da comédia americana atual, ”Doentes de Amor” cativa pela honestidade dos personagens, cheios de camadas e que respondem a conflitos tão particulares quanto universais.

Leia também: Amigo de Bono e fã de Marisa Monte, italiano Zucchero traz sua turnê ao Brasil

Delicado, genuinamente engraçado e fora do eixo – já que é protagonizado por um imigrante paquistanês na América e dispensa esse estigma como força motriz – “Doentes de Amor” irriga sua audiência de tolerância e afeto. E o faz com inteligência e desprendimento.


    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.