Tamanho do texto

Desde as acusações feitas contra o produtor, grandes nomes de Hollywood se pronunciaram. Mas com um histórico de mais de 20 anos de assédio, seria Hollywood complacente com o comportamento de Weinstein?

Em 2013, enquanto apresentava as atrizes indicadas na categoria de “Melhor Atriz Coadjuvante” no Oscar , o comediante Seth McFarlane fez a seguinte piada:  “parabéns a vocês mulheres que não vão mais precisar fingir estar atraída a Harvey Weinstein”. A piada foi recebida com risos da plateia, cheia de jornalistas. Weinstein já foi considerado um dos maiores nomes de Hollywood . Hoje em dia ele divide o título com outros grandes figurões mas, por um período ele reinou absoluto como o responsável por algumas das maiores produções cinematográficas americanas.

Leia também: Depois de acusações de assédio, Harvey Weinstein é expulso da Academia do Oscar

Harvey Weinstein, Matt Damon e Ben Affleck trabalham juntos desde
Divulgação
Harvey Weinstein, Matt Damon e Ben Affleck trabalham juntos desde "Gênio Indomável", em 1996

E, enquanto durou sua fama de Harvey Weinstein , também duraram os boatos. Ao longo de mais de 20 anos houveram histórias, comentários, o famoso “diz-que-me-disse”. Todos eles relatam possíveis abusos de poder envolvendo mulheres que estavam começando na indústria. Talvez ninguém soubesse apontar quem falou o que e quando, mas os rumores eram conhecidos. Por isso o comentário de McFarlane.

Leia também: Ben Affleck comenta denúncias contra produtor e fãs relembram assédio do ator

Mas, o que antes era desconfiança, um rumor, se tornou concreto no começo deste mês. Na quinta-feira (05), o jornal New York Times publicou uma reportagem relatando anos de abuso por parte do produtor. Ashley Judd era a atriz mais famosa a oferecer um depoimento para a reportagem. Outros nomes incluíram Lauren O’Connor, funcionária da Weinstein Company, que enviou uma carta para executivos da empresa relatando o comportamento inadequado de Weinstein. “Existe um ambiente tóxico para mulheres nessa companhia”, escreveu.

É preciso uma vila

Em determinado momento do filme “Spotlight”, que retrata uma equipe de jornalista que desmascara uma série de abusos feitos por padres em Boston, um personagem fala que “é necessário uma vila” para manter um escândalo desses abafado. Com o caso de Harvey Weinstein é a mesma coisa. Um homem, mesmo  tão poderoso quanto ele, não consegue esconder esses assédios sozinho. É aí que entram os advogados, assistentes, sócios, estúdios, atores, diretores, produtores e outras pessoas dispostas a manter esse segredo também.

Se a atitude mais simples é desmentir a vítima , acusá-la de querer se beneficiar ou de mentir, isso mostra o poder que um homem como Weinstein tem para simplesmente descreditar uma pessoa. E mostra também que o silêncio em torno do assunto é resultado de um trabalho coletivo. Desde que as acusações contra Harvey Weinstein surgiram, muitas pessoas se pronunciaram. Algumas declararam já ter sofrido assédios similares, como Cara Delevigne, Angelina Jolie, Gwyneth Paltrow e Léa Seydoux. Outras que já trabalharam com o produtor mostraram surpresa e indignação com as acusações, como Meryl Streep , Ben Affleck e Matt Damon . Uma terceira onda de artistas ainda foi a público dizer que, ou já tinha ouvido falar desse tipo de comportamento, como Jessica Chastain, ou não ficou totalmente surpresa de descobrir a respeito, como disse Charlize Theron.

Silêncio

Harvey Weinstein e Meryl Streep trabalharam diversas vezes juntos, inclusive na promoção de
Divulgação
Harvey Weinstein e Meryl Streep trabalharam diversas vezes juntos, inclusive na promoção de "Dama de Ferro" que rendeu um Oscar para a atriz

É de conhecimento geral que a indústria do entretenimento é uma das mais difíceis de conseguir entrar e se manter. Para muitas pessoas em começo de carreira, a oportunidade de encontrar e mostrar seu trabalho para um homem tão poderoso como Weinstein pode mudar tudo. Se ele gostar de seu trabalho e decidir investir em sua carreira, ela tem grandes chances de se tornar uma estrela. Por saber disso, e de seu poder, Harvey chamou diversas jovens no começo da carreira para “encontros” em hotéis, que se tornavam cenas de assédio . É fácil, então, para Damon ou Streep dizerem que não sabiam o que o produtor fazia. Eles nunca foram convidados para esse tipo de encontro. É possível sim que essas pessoas que alegam desconhecer os casos estejam falando a verdade. Mas é difícil acreditar.

A parceria de Dammon e Affleck com Weinstein existe desde 1997, quando fizeram “ Gênio Indomável ” juntos – filme que rendeu aos dois o Oscar por “Melhor Roteiro”. Um ano antes tinha sido lançado “Emma”, quando Paltrow admitiu ter sido assediada pelo produtor. Ela contou também que comentou com seu então namorado, Brad Pitt, sobre o ocorrido, e Pitt confrontou Weinstein. Pitt e Damon fizeram juntos três filmes da saga “11 Homens e Um Segredo” entre 2001 e 2007.

A jornalista Sharon Waxman, ex- New York Times e criadora do site The Wrap confessou que trabalhava em um artigo que iria expor Weinstein em 2004. Na época, ela recebeu ligações de Damon e Russell Crowe tentando convencê-la a derrubar a matéria, fato que o Times negou. No mesmo ano, porém, Crowe contou com a ajuda de Weinstein na campanha do Oscar por “Mestre dos Mares”.

Já ouviu falar nisso antes?

Um caso similar aconteceu recentemente no Brasil e, da mesma forma que ocorreu com as vítimas de Weinstein, a vítima de assédio foi descreditada. Em março, Susllem Tonani, figurinista da Rede Globo acusou o ator José Mayer de assédio sexual . Imediatamente, o ator negou o fato. Depois de muitos relatos e certa pressão, foi descoberto que ela já havia feito denúncias no RH, e nada havia sido feito a respeito. O caso, porém, tomou proporções maiores do que o acusado imaginava, e Mayer teve que se desmentir, confessando o assédio e dizendo ser “fruto de uma geração que aprendeu que atitudes machistas, invasivas e abusivas podem ser disfarçadas de brincadeiras ou piadas”. O ator foi afastado da próxima novela que faria e, para evitar prejudicar ainda mais a sua imagem, se mantém recluso desde então. Porém, sem acusações formais de Tonani, nenhuma punição foi imposta ao ator e, mesmo com o afastamento temporário da emissora, ele deve retornar as novelas no futuro.

Leia também: José Mayer admite assédio sexual, pede desculpas e diz que vai mudar

Futuro

Fazer uma denúncia dessas não é fácil. O principal motivo para que todos se mantenham em silêncio é que abrir a boca pode prejudicar suas carreiras, o que aconteceu com muitas dessas mulheres. Algumas delas inclusive, desistiram de trabalhar na indústria cinematográfica. Porém, o “efeito dominó” segue sem freio e Weinstein já foi demitido de sua empresa, expulso da Academia do Oscar, e sua esposa anunciou a separação. O figurão dificilmente voltará a dar as caras em Hollywood. Mas o quanto ele influencia mesmo nos bastidores do cinema ainda será visto nos próximos anos.

As acusações contra Harvey Weinstein devem repercutir em Hollywood como cinema, resta saber se irá afetar como ela funciona enquanto indústria. Como outros movimentos anteriores ajudaram a desmascarar a hipocrisia de Hollywood (como o #OscarsSoWhite, por exemplo), o momento que se segue às acusações de Harvey Weinstein devem servir como mais do que uma “marola”, como foi aqui com Mayer. A onda precisa aumentar, com o fortalecimento da indústria contra esse tipo de atitude.

Leia também: George Clooney é acusado de acobertar caso de assédio sexual

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.