Tamanho do texto

Campanha de marketing pretende aumentar a frequência em museus e compreender a reação das crianças diante de obras de arte

Uma campanha feita pelo Museu D’Orsay , em Paris, na França, virou assunto no Brasil. Repetindo um projeto que fizeram em 2015, eles espalharam cartazes pela cidade com dizeres como: “tragam seus filhos para ver gente nua ”.  Porém, ao contrário do que tem acontecido recentemente no Brasil, a publicidade não criou polêmica por lá. De acordo com a diretora de comunicação do Museu, Amélie Hardivillier, a campanha foi muito bem recebida pelo público.

Leia também: "O Evangelho Segundo Jesus, Rainha do Céu" reflete sobre relações de empatia

Museu na França faz campanha sugerindo aos pais levar os filhos para ver
Divulgação/Museu D'Orsay
Museu na França faz campanha sugerindo aos pais levar os filhos para ver "gente nua"

Em uma entrevista a rádio francesa France Press , ela comentou que o intuito do projeto é compreender melhor como as crianças reagem a obras de arte. Além do cartaz polêmico, que inclui uma imagem de uma obra de 1907 com uma mulher nua, outros folhetos direcionados a pais e filhos foram desenvolvidos e divulgados. A ideia é, além de atrair mais visitantes ao museu , mostrar para as pessoas que os filhos também podem ser responsáveis por levar os pais em exposições.

Leia também: Intolerância com "Queermuseu" deflagra debate sobre onda censora no Brasil

No Brasil

Em terras brasileiras o assunto repercutiu por conta das polêmicas recentes. Nas últimas semanas, duas exposições em lugares diferentes receberam duras críticas por conta de seu conteúdo, que alguns consideraram “inapropriados”. A primeira delas foi o Queermuseu , em Porto Alegre (RS). A exposição, que entre outras coisas exibiu obras relacionadas a questões LGBT, sofreu com a censura, que veio principalmente de grupos políticos.

Em seguida, foi a vez do MAM em São Paulo receber manifestações contra a performance do artista Wagner Schwart, que se posicionou nu e imóvel em uma sala, enquanto as pessoas interagiam com sua imagem como quisessem.

Mesmo com um número tão baixo de frequentadores de museus (pesquisas recentes apontam que 71% dos brasileiros nunca foi em exposições de pintura, escultura e outras artes), essas obras foram atacadas fortemente pela população. Enquanto isso em Paris, berço do mais conhecido museu do mundo, o Louvre, recebeu 9,3 milhões de visitantes apenas em 2014. A campanha desenvolvida pelo Museu D’Orsay não só esperava aumentar ainda mais esse número, como instigar novas pessoas (no caso, as crianças) a se interessarem por obras de arte e museus e visitá-los de maneira espontânea, e não levados por pais ou pela escola.

Leia também: Polarização política põe em risco liberdades e vitima cultura brasileira

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.

    Notícias Recomendadas