Tamanho do texto

"Younger Now", sexto álbum de estúdio da cantora, apresenta pop maduro e flerte com o country e eleva a americana a outro patamar na carreira

Em uma era em que as estrelas pop estão se reinventando a cada dois discos Miley Cyrus parece estar à frente da curva ao apresentar uma terceira mudança de rota aos 24 anos de idade. Os singles de “Younger Now” , que foi lançado oficialmente na última sexta-feira (29), já sinalizavam esse caminho para uma das estrelas mais em carne-viva da música americana atual. Malibu , Inspired e Younger Now demonstravam que a cantora se aproximaria do country, gênero que fez a fama de seu pai, Billy Ray Cyrus. Engana-se, porém, quem imaginava que seu sexto álbum de estúdio seria um trabalho inteiramente country.

Leia também: vete Sangalo encanta paulistanos com show arretado e confissões da gravidez

Miley Cyrus chocou com seu novo estilo em entrevista à revista
Reprodução/Billboard
Miley Cyrus chocou com seu novo estilo em entrevista à revista "Billboard"

A sonoridade do sul dos Estados Unidos está presente, principalmente em faixas como Rainbowland em que Miley Cyrus divide os vocais com a madrinha Dolly Parton. Mas o disco é muito mais viajado do que isso e conforme vamos avançando por ele vamos sendo invadidos pela sensação de estarmos diante do melhor trabalho da carreira da americana até a data.

Leia também: De Pink a Paula Fernandes: vejas as novidades da semana na música

“Younger Now” é radicalmente diferente do experimentalismo estético de “Miley Cyrus & Her Dead Petz” (2015) e chama ainda mais a atenção porque foi um disco criado na unha por Cyrus que escreveu cada uma das letras, co-escreveu as músicas e co-produziu o disco.

Abrindo o coração

A proximidade com suas raízes, verificada principalmente na primeira parte do disco, não é a única característica do álbum. Miley adota um tom surpreendentemente confessional.  É um trabalho que congrega amadurecimento e rejuvenescimento justificando poeticamente o nome do álbum. É como se a estrela estivesse lavando a alma em frente a seus fãs.

Capa de
Divulgação
Capa de "Younger Now", novo disco de Miley Cyrus

Os instrumentos ganham chance de brilhar, mas há belíssimos momentos acústicos e arranjos com cordas. Nesse sentido, I Would Die for You , sexta canção do disco, surge reveladora. “I´ve heard I got words like knife/That I don´t know always choose just so wisely/But I see trees and their colored leaves/when I think all that we could be”.  É uma Miley Cyrus sem medo de abrir o coração e disposta a muitas digressões com sua música. Há quem diga que esse é o estado de graça do artista.  Para esses, ela canta em Bad Mood que “está cansada de correr direto para pia após acordar sempre mau humor” e que “os tetos de vidro tem que quebrar”.

Leia também: Após cinco anos sem trabalhos fonográficos, Pink anuncia álbum e lança single

Miley Cyrus sempre foi conhecida por ser extremamente autêntica e “Younger Now” desponta como um de seus momentos mais autênticos e autocentrados.  As baladas que fecham o álbum, Love Someone e She´s Not Him são agudas, profundas e provas de que a reengenharia musical, em Miley Cyrus, não é mera reação química de seu estado de espírito ou ação de marketing.  Essa verdade crua, tão bem musicada, cativa em um disco acima da média.