Tamanho do texto

Produção que está em cartaz nos cinemas superou "O Filme da Minha Vida", "Como Nossos Pais" e "Polícia Federal - A Lei é Para Todos", entre outros

A Academia Brasileira de Cinema divulgou na manhã desta sexta (15) que “Bingo – O Rei das Manhãs” será o representante brasileiro na disputa por uma vaga entre os indicados ao Oscar de filme estrangeiro.

Leia também: Com Vladimir Brichta no auge, "Bingo" celebra a cultura pop brasileira

Divulgação
"Bingo - o Rei das Manhãs" é estrelado por Vladimir Brichta como um palhaço

Eram 23 produções nacionais inscritas para representar o Brasil na maior premiação do cinema mundial. Além de “ Bingo – O Rei das Manhãs”, estavam no páreo “A Família Dionti”, de Alan Minas; “A Glória e a Graça”, de Flávio Ramos Tambellini, “Café - Um dedo de prosa”, de  Maurício Squarisi, “Cidades Fantasmas”, de Tyrell Spencer; “Como Nossos Pais”, de Laís Bodanzky;  “Corpo Elétrico”, de Marcelo Caetano; “Divinas Divas, de Leandra Leal; “Elis”, de Hugo Prata, “Era O Hotel Cambridge”, de Eliane Caffé, “Fala Comigo”, de Felipe Sholl, “Gabriel e a Montanha”, de Fellipe Barbosa; “História antes da história”, de Wilson Lazaretti, “Joaquim”, de Marcelo Gomes, “João, o Maestro”, de Mauro Lima, “La Vingança”, de Fernando Fraiha e Jiddu Pinheiro, “Malasartes e o Duelo com a Morte”, de Paulo Morelli; “O Filme da Minha Vida”, de Selton Mello; “Polícia Federal - A Lei é para todos”, de Marcelo Antunez; “Por Trás do Céu”, de Caio Sóh; “Quem é Primavera das Neves”, de Ana Luiza Azevedo, Jorge Furtado; “Real - O plano por trás da história”, de Rodrigo Bittencourt e “Vazante”, de Daniela Thomas. 

Leia também: Vladimir Brichta vê Bingo como uma de suas melhores performances

A escolha

O filme de Daniel Rezende já havia sido anunciado como o representante do Braisl para tentar uma vaga entre os finalistas na categoria de filme estrangeiro no Goya, premiação do cinema espanhol. “Bingo” talvez fosse o candidato comercial que melhor cônjuge características autorais. Além do mais, é possível identificar uma fórmula americanizada na edição do filme. É uma escolha mais conservadora do que em outros anos, mas cheia de potencialidades.

Oscar

A primeira etapa da premiação, encerrada hoje, define qual filme representará o Brasil na maior competição do cinema. A partir de agora, o filme é submetido para a Academia de Artes e Ciências Cinematográficas. Em dezembro, uma lista com nove pré-indicados é divulgada, e em janeiro, juntos com as outras categorias, são definidos os cinco finalistas.

Desde que a categoria de “Melhor Filme Estrangeiro” foi criada, em 1957, o Brasil já ficou entre os indicados quatro vezes: em 1963 por “O Pagador de Promessas”, em 1996 por “O Quatrilho”, em 1998 por “O Que É Isso Companheiro?” e em 1999 por “Central do Brasil”. Em 2008 o longa “O Ano em que meus Pais Saíram de Férias” chegou a ser pré-indicado, mas não entrou na lista final.

 Leia também: Vladimir Brichta explica preparação para "Bingo – O Rei das Manhãs"