Tamanho do texto

Depois de rodar diversos festivais no Brasil e no mundo, "As Duas Irenes" chega ao circuito comercial tarimbado por quatro prêmios em Gramado

A nova safra de cineastas brasileiros é empolgante e o ano de 2017 tem sido pródigo para os diretores estreantes. Prova disso é o lançamento de “As Duas Irenes”, que colheu quatro prêmios no último festival de Gramado, entre eles o de melhor filme pela crítica. Fabio Meira investe em um cinema lacunar que se preocupa mais em tangenciar angústias e anseios do que em prover respostas fechadas.

Leia também: Premiado, "As Duas Irenes" coroa excelência da Sessão Vitrine Petrobras

Cena do filme
Divulgação
Cena do filme "As Duas Irenes", que estreia nesta quinta-feira (14) no Brasil

Irene (Priscila Bittencourt) está naquela fase de se descobrir. Com a irmã completando 15 anos vivencia um doloroso momento de introspecção em que ainda não é mulher, mas também já não se sente mais menina. É em meio a essa ebulição hormonal, mas também emocional, que “As Duas Irenes” flagra sua protagonista. E a leva além. São nessas circunstâncias que ela descobre que seu pai (vivido com a devida carga de ausência por Marco Ricca) tem outra família e outra filha com a mesma idade dela e que também se chama Irene.

Leia também: A censura mecanizada das redes sociais que ameaça universo das artes

Irene começa a tatear essa outra realidade do pai e a propor, ainda que timidamente, um interessante jogo de espelhos com essa irmã estranha. A outra Irene (Isabela Torres) é mais desenvolvida fisicamente e aparentemente mais resolvida em relação a seus desejos. Parece levar uma vida mais livre também.

A protagonista de As Duas Irenes tateia a si mesma e a realidade alternativa do pai
Divulgação
A protagonista de As Duas Irenes tateia a si mesma e a realidade alternativa do pai

As duas Irenes vão se conhecendo, se experimentando e experimentando juntas. É nessa jornada de autoconhecimento compartilhada, de muitos questionamentos e de uma revolta hermética, que o filme de Meira se ocupa. É um filme sobre crescer, mas é também um drama familiar sutil e algo introspectivo. Sem respostas, mas profundamente sensorial.

Leia também: “Feito na América” diverte ao colocar Tom Cruise entre Pablo Escobar e a CIA

As atuações servem a um texto que se propõe investigativo dos meandros da intimidade e as atuações das duas jovens e estreantes atrizes condiciona à memória afetiva do espectador o grau da emoção que “As Duas Irenes” é capaz de despertar.