Tamanho do texto

Não é de hoje que os nomes do pop fazem parte do line-up do Rock in Rio; mesmo sendo sucesso, divas ainda são alvo de protesto de fãs conservadores

“Mas cadê o rock se o evento chama Rock in Rio?”. Se você é um daqueles fãs apaixonados pelo gênero, com certeza já se questionou sobre isso em algum momento – e caso não seja, provavelmente já se deparou com a frase nem que seja em algum comentário de alguém indignado na internet com a escolha de nomes como Lady Gaga, Fergie, Alicia Keys dentre os headliners do festival. Mas a verdade é que, exceto pela sua primeira (e histórica) edição, o Rock in Rio nunca foi um evento voltado apenas para o rock... E os protestos contra a escolha dos artistas também não são novidade.

Leia também: Dez artistas com as performances mais exageradas dos últimos tempos

Rihanna, Katy Perry, Beyoncé: as divas pop se consolidam e reclamam seu espaço dentro do Rock in Rio desde 1991
Divulgação
Rihanna, Katy Perry, Beyoncé: as divas pop se consolidam e reclamam seu espaço dentro do Rock in Rio desde 1991


Rock por acaso

Lá atrás em 1985, Roberto Medina tinha um projeto: fazer um festival de proporções internacionais no Rio de Janeiro. E só. O próprio publicitário que fundou o evento não era lá um dos maiores apreciadores do gênero – na verdade, ele se apoiava com frequência na ajuda de pessoas que entendiam mais do que ele sobre o que estava “em alta” na época, e essa é a chave para entender o porquê o Rock in Rio foi o Rock in Rio. Foi quase uma coincidência que, naquela época, o rock fosse o ritmo mais ouvido pela juventude. A popularidade de artistas como Queen e AC/DC que os colocaram para dentro do festival, não o contrário.

Seis anos depois o cenário já começava a dar sinais de mudanças – e, sendo um evento com a pretensão de se firmar no circuito mundial, o Rock in Rio precisava acompanhar a maré para continuar relevante. Em 1991 o primeiro indício de que em breve as divas pop tomariam os palcos do evento foi a escalação de Debbie Gibson e Deee-Lite como atrações daquela edição – e ainda compondo ainda o cenário pop havia a boy band New Kids On The Block. E, como era de se esperar, houve resistência por parte do público, mas a salvação foram nomes como Guns N’ Roses e Judas Priest que apaziguaram os ânimos dos críticos.

Pop in Rio

Beyoncé fez um dos shows mais memoráveis do Rock in Rio, reafirmando a força do pop no line-up do festival de rock
Divulgação
Beyoncé fez um dos shows mais memoráveis do Rock in Rio, reafirmando a força do pop no line-up do festival de rock

A partir da terceira edição, em 2001, a presença de nomes do pop já era consolidada e a uma das principais atrações daqueles ano foi justamente a diva pop do momento: Britney Spears. Além dela Sandy & Júnior e Daniela Mercury representavam o som brasileiro que estava no topo da atenção do público naquele momento.

Leia também: Lendas vivas: 15 artistas que receberam tributos ainda na ativa

Dai por diante não houve um Rock in Rio sem pelo menos a presença de uma cantora – e a lista de nomes que já passaram pelo Palco Mundo é, no mínimo, muito respeitável. Beyoncé , Katy Perry, Rihanna , Shakira, Alicia Keys, Jessie J. e Ke$ha foram algumas das headliners de edições passadas aqui no Brasil – e esse ano a atração mais comentada (e aguardada) não será ninguém menos que Lady Gaga.

Sucesso absoluto

Rihanna foi uma das atrações mais elogiadas do Rock in Rio em 2011
Divulgação
Rihanna foi uma das atrações mais elogiadas do Rock in Rio em 2011

Se há 30 anos as vendas do Rock in Rio tivessem derrapado com a adição de artistas fora do eixo rock-metal, se a escalação de Britney, Rihanna, e Beyoncé não tivessem dado certo, por que a organização repetiria a dose? A verdade é que, apesar das críticas de fãs mais conservadores, a pluralidade musical que passou a tomar conta do festival foi um sucesso – de público e de crítica. Alguns dos shows mais procurados da história do evento eram – surpresa! – das tão repudiadas “divas pop”.

Leia também: Banda Kilotones ascende com rock ousado e acredita no fortalecimento da cena

A equipe do Rock in Rio não é suicida nem vai sabotar o próprio império que ergueu ao longo de décadas. Nesse ano, por exemplo, o Palco Mundo terá Guns N’ Roses, Red Hot Chili Peppers e Aerosmith, ou seja, o rock não foi esquecido, mas precisou lidar com a frustração de não ser mais a galinha dos ovos de ouro do evento e aprender a dividir seu espaço com as novas vozes femininas que conquistaram o mercado de entretenimento.

    Leia tudo sobre: Rihanna