Em entrevista ao iG Gente, os integrandtes da banda Kilotones falaram sobre os planos para o futuro da banda; músicos se apresentaram no Lollapalooza

Depois de 13 anos na estrada, em 2016 os irmãos e músicos AJ Barrionovo (vocalista e baixista), JP Barrionovo (guitarrista) e Pedro Barrionovo (bateria) decidiram se unir para um projeto com o intuito de ousar na cena do rock nacional, mesclando o gênero com outros elementos, como a música eletrônica. O então nascido Kilotones, cujo nome faz referência a unidade de medida de energia Kiloton, deu tão certo que logo no fim de setembro eles já conseguiram lançar o seu primeiro disco, “Campo Minado” e emplacar um show durante o Lollapalooza Brasil 2017 . Em entrevista ao  iG , os integrantes relembraram um pouco da sua trajetória energética e comentaram os planos para o futuro.

Leia também: Aos 70 anos, Iggy Pop segue sendo a essência do rock'n'roll

Kilotones aposta em rock ousado
Reprodução
Kilotones aposta em rock ousado

“Quando montamos o grupo, gostaríamos de fazer os grandes festivais no Brasil e no mundo e o Lollapalooza era um deles”, relembra JP. “Essa conquista chegou em dez meses de banda e tínhamos dado um prazo de 2 anos para nós. A gente está colhendo a cada dia frutos de ter tocado, várias bandas vem falar com a gente, recebemos convites para tocar em vários locais...”, completa o guitarrista. Entretanto, o músico ressalta: “A gente não fica dependendo do nome do Lolla, mas temos esse carimbo”.

Leia também: Música brasileira: Punk e Rock dos anos 80 invadem o canal VIVA

De fato, o sucesso dos Kilotones transpassa o festival. Com muito planejamento e gana de colocar em evidência o seu trabalho, a banda já tem percorrido por diversos festivais pelo país e até encabeçado novos eventos no cenário nacional, como o Primeiro Festival Soma Rock. “Depois que o pessoal da NDK ganhou o concurso do João Rock eu liguei pra eles, que a gente já era amigo há tempos, e falei ‘A gente ganhou o Lolla, vocês ganharam o João Rock. Vamos unir as bandas para que essa cena se propague mais ainda, para que mais pessoas se envolvam!’”, conta JP. O show então foi marcado para o próximo sábado (12) no Breve, em São Paulo. “A ideia é que depois desse show a gente faça mais e comece a convidar outras bandas pra se apresentar também. Que o pessoal venha para somar no nosso show, e some com a gente”, sugere o músico.

Uma nova geração

Essa união com outras bandas do cenário é uma das características que JP enxerga na sua geração de músicos que ascendem atualmente no cenário do rock brasileiro. “Eu acho que a mentalidade da galera hoje é dessa união. Mentalidade de que o grupo do rock está se fortalecendo, toda uma cena vai se fortalecer”, comenta. “É isso que está fazendo diferença. Eu acredito que um ano e dois anos a cena do rock vai estar bem fortalecida”, completa o músico. Uma das celebrações dessa união também tem outra data marcada para acontecer: em Ribeiro Preto, no dia 14 de novembro,”Kilotones convida a Nova cena do Rock” irá invadir o Theatro Pedro II com diversos convidados em prol do Hospital de Câncer de Riberão Preto.

Os meninos do Kilotones
Nátaly Schiavon
Os meninos do Kilotones

Leia também: Rock em bom português é legado de Frejat, diz Rodrigo Suricato no Barão Vermelho

Novo álbum

Os kilotons da banda não param por aí. Com muita energia, os irmãos já têm planos para o semestre e próximo ano. Em setembro, Confiante , um single baseado no livro “Cavaleiro Preso na Armadura” será lançado e Pedro antecipa: “A mensagem dela foi inspirada num livro o cavaleiro preso na armadura então ela fala sobre quando a gente fica preso em conceitos em padrões do nosso dia a dia e não entramos em contato consigo mesmo”. O álbum, que só chega em junho de 2018, também vem com muita força: “Vocês podem esperar um maior amadurecimento da banda com certeza. A gente vai chegar na sonoridade que a gente quis desde o principio”, adianta JP.

    Leia tudo sobre: Músicas
    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.