Tamanho do texto

Apesar do tema áspero e dramático, o filme de Lolla Doillon é conduzido com ternura e graciosidade e tem nos intérpretes infantis sua grande força

Existe uma espiral no subgênero de filmes sobre o nazismo que versa particularmente sobre a opressão do regime para com as crianças. “A Viagem de Fanny”, que estreia em São Paulo, Rio de Janeiro e algumas outras cidades do País nesta quinta-feira (10), se junta a produções como “O Menino do Pijama Listrado” (2008), “Vá e Veja” (1985), “A Menina que Roubava Livros” (2013) e “Os Meninos que Enganavam Nazistas” (2017) no filão de produções que confrontam a inocência infantil às atrocidades de um dos momentos mais sombrios da história da humanidade.

Leia também: Ótimo, "O Estranho que Nós Amamos" redireciona carreira de Sofia Coppola

Cena do filme
Divulgação
Cena do filme "A Viagem de Fanny", que estreia nesta quinta-feira (10) nos cinemas de São Paulo, Rio de Janeiro, Salvador, Brasília e circuito

Dirigido por Lolla Doillon (“Contre Toi”) e inspirado no livro de Fanny Bem-Ami, no filme vivida pela ótima Leonie Souchaud, “A viagem de Fanny” se passa na França ocupada pelas tropas nazistas e mostra a peregrinação, no sentido mais dramático possível, de um punhado de crianças judias para chegar à fronteira suíça e fugir dos implacáveis alemães.

Leia também: Tarantinesco, “El Mate” é triunfo do cinema independente brasileiro

Ainda que seu filme seja ambientado no curso da segunda guerra mundial, o conflito importa pouco em termos narrativos a Doillon. Ela se ocupa majoritariamente daquelas crianças que protagonizam um drama muito mais febril e desesperador. Totalmente desamparadas e desorientadas, elas recebem parcas instruções da Sra. Forman, vivida pela sempre competente Cécile de France , de como atingirem o objetivo, mas as chances estão todas contra elas.

Cena do filme A Viagem de Fanny
Divulgação
Cena do filme A Viagem de Fanny

O filme, portanto, se ocupa de acompanhar essas crianças pela jornada mais importante e perigosa de suas vidas. A maneira como se agarram umas as outras e constroem um elo firme e indevassável é daquelas coisas que convidam o espectador às lágrimas.

Leia também: Drama familiar e grandes atrizes dão o tom do delicado "O Reencontro"

Não é um absurdo comparar este filme a “Conta Comigo” (1986), de Rob Reiner. Ainda que não haja referências claras ou perceptível influência, as escolhas narrativas de Doillon sugerem essa aproximação. O que distingue “A Viagem de Fanny” dos filmes citados lá no começo também. Mais do que radiografar os espólios da guerra, Doillon almeja reverenciar a força e desprendimento do espírito humano.