Tamanho do texto

Michel Temer, presidente da república, é dono de três livros, o último, "Anônima Intimidade", de 2012, é composto por 120 poesias do político

A política e a literatura estão cada vez mais próximas e é bem comum lermos textos ou livros assinados por algum político. Para citar um exemplo não é necessário ir muito longe: Michel Temer , atual presidente da república, é autor de três livros, o mais recente é "Anônima Intimidade " , de 2012, mas ele também escreveu "Democracia e Cidadania", de 2006, e "Elementos de Direito Constitucional"  de 1982.

Leia também:  "Em tempos tão duros, a poesia pode recuperar essa humanidade que corre riscos"

Michel Temer é autor de três livros, Anônima Intimidade, Democracia e Cidadania e Elementos de Direito Constitucional
Marcos Corrêa/PR
Michel Temer é autor de três livros, Anônima Intimidade, Democracia e Cidadania e Elementos de Direito Constitucional


Outros nomes da política brasileira também entram nesse paralelo. Figuras como a do ex-presidente do País Fernando Henrique Cardoso , o deputado federal Gabriel Chalita , o senador e ex-presidente da república José Sarney , entre muitos outros, são afeitos às letras.

Leia também: Da comédia à crítica, o humor se consolida transformando riso em informação

Sarney publicou seu primeiro livro de poemas, A Canção Inicial antes de disputar sua primeira eleição, aos 24 anos. Por conta disso, pode-se dizer que ele primeiro foi escritor e depois político, ao contrário da maioria dos outros casos.

"Temer Poeta"

Voltando a Michel Temer, a última obra dele, reúne 120 poemas em que o presidente da república afirmou ter escrito em guardanapos durante suas viagens aéreas entre São Paulo e Brasília. Segundo ele, escrever poemas o ajudava a recuperar-se da "arena árida da política legislativa". Esse causo inspirou o jovem Gustavo Lopes da Silva, de 21 anos, a criar a página "Temer Poeta" no Facebook, uma página de humor sobre o presidente do Brasil.

"A ideia de criar a página surgiu basicamente por dois motivos: o primeiro foi uma inspiração no próprio livro", afirmou o rapaz em entrevista ao iG Gente . "De uns tempos para cá, é um tema que de fato vem me interessando muito e de um modo geral, ganhou mais força com todo esse momento atribulado que passamos de crise instaurada e esse verdadeiro cenário de série", continuou ele.

Leia também: Os cinco melhores livros escritos por atrizes brasileiras

Ainda de acordo com o jovem, o outro motivo que incentivou a criação da página foi um post de um site que mostrava as melhores partes do livro de Temer. "Eu ri muito e fiz paralelos  com a situação que vivíamos e coisas que aconteceram depois", completou ele.

Anônima Intimidade, de Michel Temer
Reprodução
Anônima Intimidade, de Michel Temer

"A partir disso, surgiu a ideia de criar 'poemas' que traziam a tona esse viés do nosso querido Temer e, claro, envolvendo questões polêmicas como o suposto envolvimento com o satanismo, a carta aberta da maçonaria 'contra a Dilma' e notícias diárias".

A página de Gustavo hoje coleciona quase quatro mil curtidas e mais quatro mil seguidores em que, segundo ele, prevalecem as mulheres entre 25 e 45 anos de esqueda, engajadas em assuntos políticos. Para ele, qualquer forma de manifestação artística é válida. "Acredito que a poesia pode funcionar como uma válvula de escape para qualquer pessoa, incluindo nossos representantes. O Senador Paim, inclusive, disse uma vez que uma de suas poesias o ajudou a ganhar uma eleição. Mas ele, diferente do Temer, usa os temas de sua rotina como fonte de inspiração".

A política e a literatura

Rômulo Neves , ex-participante do "Big Brother Brasil 17", da Rede Globo , é  professor, poeta, triatleta e diplomata. Ele já publicou um texto sobre o cruzamento entre a política e a literatura e em entrevista ao iG contou que os políticos (e os escritores em geral) decidem escrever livros porque têm - ou acham que têm - algo a dizer. " Claro que política e literatura são atividades que caminham próximas, seja porque o panorama político costuma ser um dos elementos mais importantes de grandes obras da literatura, seja porque, em geral escritores são, também, pessoas articuladas e, por isso, que tem posições políticas estruturadas e, muitas vezes, públicas". Ainda segundo ele, "é um grupo pequeno dentro os políticos que decidem escrever".

Rômulo ressalta, ainda, que o público dessas obras se misturam, e ele "arriscaria em dizer" que os leitores da literatura escrita por políticos são os mesmos daqueles escritos por outros autores.

Na visão dos literatos e acadêmicos, o diplomata diz que não tem como prever como eles enxergam essas obras, mas tudo depende de sua qualidade e, é claro, que opositores de alguma figura não vão reconhecer a qualidade da sua obra, mesmo que acadêmicos digam o contrário.

Rômulo Neves expressa opiniões políticas no programa Diálogos com Sindy
Reprodução/Twitter
Rômulo Neves expressa opiniões políticas no programa Diálogos com Sindy


Recomendações

Apesar do livro de Temer não ter agradado Rômulo nem Gustavo, o ex-participante do "BBB" recomenda algumas biografias de políticos, "mas por curiosidade", segundo ele. Já falando de ficção, ele tem suas recomendações. "Vidas Secas " , que é um clássico da literatura brasileira, foi escrito por Graciliano Ramos , que, por sua vez, foi prefeito de Palmeiras dos Índios. Recomendaria também "O Dono do Mar", do ex-Presidente José Sarney. Um livro de poemas curtos do ex-Governador Ronaldo Cunha Lima , "Breves e leves", é interessante. Mas acho que vale a pena falar de Carlos Lacerda , ex-Governador do Estado da Guanabara, e opositor de Getúlio Vargas , que, apesar de não ter uma obra literária, fundou uma das mais importantes editoras do País, a Nova Fronteira ".

Falando em José Sarney, Rômulo Neves também falou sobre o ex-Presidente. "Sarney tem uma produção quase contínua, de mais de 60 anos, independentemente de sua atuação como político". Hoje, o político faz parte da ABL (Assossiação Brasileira de Letras), o que aconteceu antes de se tornar vice-presidente e posteriormente presidente do Brasil.

José Sarney, ex-presidente do Brasil, já era escritor antes mesmo de se tornar um político
Jefferson Rudy/Agência Senado
José Sarney, ex-presidente do Brasil, já era escritor antes mesmo de se tornar um político


Leia também:  "Fui censurado", diz autor de livro assinado por Eduardo Cunha como pseudônimo

O Brasil

Questionado sobre a possibilidade de figuras na política tentarem refletir a versão de Brasil deles em suas obras, Rômulo acredita que todo escritor reflete seu ponto de vista e sua versão da realidade. "Isso não seria diferente com escritores políticos". Já o valor literário, para ele, não está dentro disso, mas "no modo como tratam isso dentro da literatura", finaliza.