Tamanho do texto

A exposição é o resultado da provocação em relação ao flerte entre o analógico e o digital. O evento acontece entre os dias 6 e 9 de julho

Entre os dias 6 e 9 de Julho o Itaú Cultural será invadido por uma exposição em que a experimentação sonora e visual será a protagonista de uma performance ao vivo. A vivência artística faz parte da 11ª edição do "On_Off Experiências em Live Image," um festival que conta diversos artistas e preparam trabalhos exclusivos ou renovados para o instituto de arte. Com curadoria do artista e pesquisador Lucas Bambozzi, o encontro deste ano conta com a participação de sete artistas brasileiros e dois internacionais. 

A exposição de arte procura explorar o flerte entre o analógico e o digital
Reprodução
A exposição de arte procura explorar o flerte entre o analógico e o digital


Leia também: Dez artistas empoderados que estão trazendo a diversidade para a música

“No digital não é permitida a interferência. Já no universo analógico, ela acontece e esse ruído interessa”, observa Bambozzi sobre esse universo da arte . “Viver nesse mundo de interferências requer imaginação para criar um diálogo entre o analógico e o digital”, completa o curador. O evento começa no dia 6 de julho às 20h com a obra “Electric Ladies and the Cooking Orchestra”, em que Paola Barreto e Kasia Justka transformarão um palco em uma cozinha. No dia seguinte, será a vez de presenciar as novas versões das performances “KATHODD”, “AFTERSHOCK” e “DUST”, assinadas por Herman Kolgen.

Leia também: Protestos artísticos: coletivos levam sexualidade para as ruas

Já no dia 8 de julho, os brasileiros vão comandar as apresentações. Primeiro, Bianca Turner e Astronauta Mecanico (Veruscka Girio) vão representar o Buraco da Minhoca, um conceito da física quântica em um sistema de retroalimentação de sinais de áudio e vídeo no “Ouroboros – Buraco de Minhoca”. Depois, será a vez das “incertezas” tomarem conta do espaço com um show de luzes, clarões, sons e palavras compostos por Marcus Bastos,  Dudu Tsuda e participação especial de  Camille Laurent.

O festival encerra no dia 9 de julho às 19h com uma pesquisa sobre origem ancestral da audição e reflexos culturais e políticos atuais, de Felipe Julián, intutilada “Excuta”, além da volta de Herman Kolgen ao palco com a obra “SEISMIK”, performance de arte inspirada por abalos da terra, como terremotos e deslizamentos.

Serviço

“On_Off – Experiências em Live Image”
Dias 6, 7 e 8 de julho de 2017 (quinta-feira, sexta-feira e sábado), às 20h
Dia 9 de julho (domingo), às 19h
Sala Itaú Cultural (224 lugares)
Entrada gratuita
Distribuição de ingressos:
Público preferencial: 2 horas antes do espetáculo (com direito a um acompanhante)
Público não preferencial: 1 hora antes do espetáculo (um ingresso por pessoa)
Estacionamento: Entrada pela Rua Leôncio de Carvalho, 108
Se o visitante carimbar o tíquete na recepção do Itaú Cultural:
3 horas: R$ 7; 4 horas: R$ 9; 5 a 12 horas: R$ 10.
Com manobrista e seguro, gratuito para bicicletas.

Leia também: Rincon Sapiência defende o engajamento no rap: "Não anula a arte"