Tamanho do texto

Um dos melhores filmes do ano, "Frantz" estreia em São Paulo, Rio de Janeiro, Belo Horizonte, Brasília e outras cidades nesta quinta-feira (22)

O novo filme de François Ozon dá sequência à jornada de experimentação do cineasta francês pelos gêneros cinematográficos, algo verificado em sua impressionante média recente – um filme por ano. “Frantz” se passa na Europa pós- primeira guerra mundial. As cicatrizes ainda estão vívidas e é neste contexto que flagramos Anna (a excepcional e mesmerizante Paula Beer). Enlutada pela morte de seu noivo Frantz, que morreu no front.

Leia também: Tensões silenciosas movem o delicado e sugestivo “Mulher do Pai”

Frantz é, desde já, um dos melhores filmes do ano
Divulgação
Frantz é, desde já, um dos melhores filmes do ano

Um dia, Anna flagra um jovem levando flores ao túmulo de Frantz e fica intrigada com a melancolia dele. Desajeitadamente se aproximam e ela leva o francês Adrian (Pierre Niney) para a intimidade do seio familiar com os pais do noivo morto. Se a mãe recebe o jovem como um alento, uma chance de descobrir uma faceta do filho, o pai deixa transparecer certa resistência em confabular com “o inimigo”.

Leia também: "Rock and a Hard Place" discute estratégia de ressocialização de jovens presos

A pintura
Divulgação
A pintura "O Suicídio", de Édouard Manet que tem função central no filme

A ligação de Adrian com Frantz comove, instiga e mobiliza aquela família postiça despedaçada pela guerra. O filme é adaptado de peça escrita por Maurice Rostand e o material já havia servido de base para o longa “Não Matarás” (1931), de Ernst Lubitsch, mas Ozon é muito mais complexo, delicado e arrebatador na articulação dos conflitos. Sempre que o espectador se convence de que sabe para onde a história está indo, tudo se reconfigura. Um triunfo narrativo de rara beleza e solidez no cinema contemporâneo.

O longa flui pelo drama, pelo mistério e pela sensualidade com desenvoltura e propriedade. A fluidez dos gêneros em Ozon não é um capricho estilístico, mas um serviço narrativo, que afere ainda mais rigor estético.

A maneira como o luto é trabalhada nos personagens já daria um grande filme, mas este é também um filme sobre Anna, sobre sua tragédia pessoal, que escala sensivelmente enquanto com ela ficamos, e também sobre o poder redentor da arte – repare na crescente importância e reverberação dramática do quadro “O Suicídio”, de Édouard Manet. Esse pluralismo, essa transversalidade da obra de Ozon, filmada em um preto e branco esfuziante, que recebe a cor sempre com potente impacto dramático, garante ao cineasta não só posição de destaque no panteão dos grandes autores contemporâneos do cinema, como dá singularidade ao filme.

A excelente Paula Beer, como Anna em Frantz
Divulgação
A excelente Paula Beer, como Anna em Frantz

Leia também: Criativa e inteligente, "American Gods" é pop sem ser vulgar

“Frantz” é um registro ardil das contradições e demandas humanas por um cineasta no auge da forma. Um filme que enobrece o cinema atual com um sopro do passado.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.

    Notícias Recomendadas