Tamanho do texto

Banda paulistana fez sucesso no exterior na segunda metade dos anos 2000, mas caiu no ostracismo após uma série de polêmicas

Há algumas semanas, a ascensão de Anitta e seu sucesso no exterior têm dominado o noticiário de cultura no Brasil. O caminho trilhado pela carioca e seu ataque ao mercado internacional têm gerado ótimos frutos a ela e abrindo uma nova porta aos artistas brasileiros, mas, há mais de uma década, outra banda brasileira conquistava o mundo: o Cansei de Ser Sexy.

Leia também: Por que a Anitta é a nova Shakira do mundo da música?

O Cansei de Ser Sexy foi sucesso no Brasil e na Europa na segunda metade da década de 2000
Divulgação
O Cansei de Ser Sexy foi sucesso no Brasil e na Europa na segunda metade da década de 2000

Formada em 2003, em São Paulo, o Cansei de Ser Sexy era o passatempo de Lovefoxxx, Adriano Cintra, Ana Rezende, Luiza Sá, Carolina Parra e Iracema Trevisan. Depois de fazer sucesso na capital paulista e ser uma das primeiras bandas brasileiras a usar a internet a seu favor, o grupo começou a chamar a atenção do resto do mundo, principalmente na Europa, e conseguiu tocar nos grandes festivais gringos e um contrato com uma gravadora mais parruda. Mas, no meio do caminho, algo deu errado e a história promissora foi por água abaixo.

Celebrada pela crítica nacional, a banda começou a despontar em festivais importantes no Brasil, como o Tim Festival. Em 2004, o EP "Em Rotterdam já É uma Febre" aumentou o buzz em torno do CSS. No ano seguinte, as músicas daquele trabalho também apareceram no segundo EP, "A Onda Mortal / Uma Tarde com PJ".

Em 2005, o grupo também lançou seu primeiro álbum, "Cansei de Ser Sexy". Com hits como  AlalaOff The HookSuperafim , o disco foi crucial na popularização da banda e foi o que colocou os paulistanos definitivamente no radar do exterior. No ano seguinte, a gravadora Sub Pop assinou com CSS e relançou o disco nos Estados Unidos e na Europa.

Leia também: O guia dos festivais de verão nos Estados Unidos e na Europa

Cansei de Ser Sexy em show no festival francês Route du Rock, em 2007
Reprodução/Wikimedia Commons
Cansei de Ser Sexy em show no festival francês Route du Rock, em 2007

Dali pra frente, a banda brasileira caiu nos braços da Europa. Eles tocaram em festivais como o Glastonbury e o Coachella, estamparam a capa da revista britânica  NME  algumas vezes, viram  Music Is My Hot Hot Sex virar tema de propaganda da Apple e quebrar o recorde de visualizações no YouTube. Em meio a tudo isso, Lovefoxxx e Simon Taylor-Davis, do Klaxons, formavam um dos casais mais badalados do mundo indie na época.

Problemas

Em 2008, o CSS lançou "Donkey", seu segundo álbum internacional, e perdeu Iracema Trevisan. O disco dividiu os críticos, mas é considerado a afirmação do grupo no exterior. Enquanto isso, o grupo enfrentava alguns problemas com o empresário Eduardo Ramos, que viabilizou a turnê no exterior.

Em seu blog pessoal, Adriano Cintra acusou Ramos de "furto mediante fraude, estelionato ou apropriação indébita". O empresário deixou de trabalhar com a banda e foi processado. Anos depois, o músico disse que Eduardo estava desviando dinheiro de direitos autorais, cachês de shows e outros pagamentos para sua conta pessoal.

Reprodução
"Planta" foi o último álbum do Cansei de Ser Sexy

Adriano foi figura central na derrocada do CSS. Em 2011, pouco tempo depois do lançamento do terceiro álbum "La Liberación", ele deixou a banda de vez e proibiu as meninas de usarem suas bases. Como ela o principal compositor do grupo, isso mexeu diretamente na produção. "Já estava ficando muito angustiado de estar em uma banda em que as pessoas não gostam de tocar, não gostam de ensaiar", disse o músico em entrevista à revista  Rolling Stone Brasil  semanas depois de confirmar sua saída.

Por meio de posts no seu blog e entrevistas, ele deixava claro que o clima entre os integrantes do grupo não era dos melhores. "A Lovefoxxx, por exemplo: o timbre dela é lindo, ela interpreta superbem. Só que ela canta mal pra caralho, tudo fora do tom. Uma vez reuni as meninas, menos a Lovefoxxx, pra tentar fazê-la entrar numa aula de canto. Ninguém quis. Daí eu falei e ela ficou puta comigo", contou na mesma entrevista.

Sem Adriano, o CSS ainda lançou seu último álbum, "Planta". Produzido por Dave Sitek, do TV on the Radio, o disco foi massacrado pela crítica. A  NME deu nota 5, enquanto a  Rolling Stone deu duas estrelas e o site  Consequence of Sound deu duas estrelas e meia. No agregador  Metacritic , a pontuação do álbum é de 54 pontos de um total de 100.

Leia também: Anitta continua plano de dominação mundial com música com Major Lazer

O disco foi o derradeiro para o grupo. Lovefoxxx se afastou do CSS e fez um retiro no Amazonas, onde se dedicou à pintura antes de voltar a trabalhar com música. Em 2015, ela e Britt Daniel, do Spoon, fizeram um show no Popload Festival, em São Paulo.

Já Adriano Cintra tentou emplacar carreira solo e outros projetos desde que deixou a banda paulistana. Ele lançou o álbum "Animal" em 2014 e lançou o projeto Madrid, com a ex-vocalista do Bonde do Rolê Marina Vello.

Apesar de tudo, o Cansei de Ser Sexy fez um trabalho importante ao abrir as portas para os brasileiros no exterior. É exagero dizer que foi o grupo paulistano que pavimentou a estrada para Anitta (mesmo que nos tuítes acima ela tenha demonstrado ser fã da banda), mas artistas independentes se beneficiaram muito pelo caminho trilhado pelo CSS. Um deles é o Boogarins, banda goiana que é queridinha dos europeus. Resta saber se esses novos artistas nacionais vão saber aproveitar melhor a onda no exterior do que o Cansei.

    Leia tudo sobre: músicas