Tamanho do texto

Mesmo que o debate não se sustente e evapore, a pauta racial é cada vez mais frequente e incisiva em produções de entretenimento

As produções
Divulgação
As produções "Estrelas Além do Tempo", "Moonlight: Sob a Luz do Luar" e "Dear White People" sustentam duramente a pauta do racismo e conseguem inserir o debate sobre ele

“O racismo , tal qual a gente conhece é uma criação da cultura ocidental, que é na realidade a cultura hegemônica em termos de domínio econômico e politico”. Definindo, assim, como é que uma construção racista de visão de mundo começou a se espalhar, é que a historiadora, mulher, negra e especialista em racismo Juliana Serzedello, também professora do Instituto Federal de São Paulo (IFSP), amaciou as almofadas do assento para uma conversa sobre como o debate em torno da questão racial tem refletido no universo do entretenimento.

Leia também: "Orange Is The New Black", "Glow", "Jackie" e mulheres dominam Netflix em junho

Falando em contextos cinematográficos, a última premiação do Oscar registrou um aumento significativo do destaque para profissionais negros do cinema. No entanto, isso não ocorreu apenas da vontade de ampliar mais o olhar, mas também por mérito das próprias pessoas negras, que conquistaram, por meio de passos curtos e lentos em uma luta constante contra o  racismo , a oportunidade de estar nesses espaços (que sempre foi de todas elas por direito). E é evidente que isso tem consequências não só para a própria trajetória desses profissionais, mas também para a visão do público que acompanha as produções e as escolhas da academia na hora de premiar, seja essa visão profunda ou não.

A raiz do problema e os resultados da desconstrução dele

 Toda essa resistência com a qual a negritude de artistas se encontra, que se coloca na prática como barreiras e obstáculos, nada mais é do que um reflexo do racismo , que segundo a historiadora Juliana Serzedello, tem raiz na cultura do continente Europeu e tracejou todo um caminho para os negros em contextos mundiais. “A cultura europeia se projetou por outras regiões e continentes e conseguiu estabelecer os parâmetros que a gente chama hoje de “parâmetros raciais”. Então tudo o que a gente chama de racismo é resultado da hegemonia europeia sobre outras regiões”, explica.

Isso posto, dá para compreender que o pensamento racista, por ser hegemônico, toma conta de muito mais cabeças do que se pode imaginar (a maioria delas) e que está aí o começo de toda essa coisa que dificulta tanto o protagonismo de pessoas negras não só no cinema e em qualquer tipo de universo que crie produtos audiovisuais, mas na vida.

Diamond / divulgação
"Moonlight" brigou pelo Globo de melhor filme dramático

Voltando para o mundo da luz, câmera e ação, ainda que o racismo esteja (bem) longe de ser desconstruído por completo, é preciso olhar para os resultados que a luta negra vem conquistando, como o aumento da criação de produções que colocam o preconceito contra pessoas de cor em discussão e o reflexo dela nas discussões do público (ainda que essas durem menos do que deveriam, é importante que o debate esteja, ao menos, acontecendo).

Além disso, há também o maior número de pessoas negras indicadas à categorias do Oscar na última edição do prêmio e,  ainda, o fato de que a estatueta de melhor filme foi para “ Moonlight: Sob a Luz do Luar ”, de Berry Jenkins, que contou com negros não só na direção do filme, mas também no papel principal e na parte de roteiro para estruturar a história de vida de um homem negro e homossexual.

 Esses fatos fizeram com que o contexto do entretenimento cinematográfico mudasse bastante e no pequeno intervalo de apenas um ano. É importante lembrar que, em 2016, a hashtag #OscarSoWhite tomou conta das redes sociais justamente pela ausência de diversidade nas indicações que tinham somente pessoas brancas nomeadas, em sua maioria, homens. E a última vez, antes de 2016, em que negros concorreram em categorias principais, como de ator e atriz principal e de coadjuvante, ficou lá em 2013, com Chiewetel Ejiofor e Lupita Nyong’o, pelos papéis em “12 Anos de Escravidão”, e Barkhad Abdi, por “Capitão Phillips”.

Leia também: 10 cenas de "Master of None" que mostram as dores do mundo moderno

Em 2017, indo curiosamente na contramão do que aconteceu no ano anterior a ele, o cenário das indicações mudou significativamente a partir do momento em que todas as seis principais categorias da premiação continham, pelo menos, o nome de um diretor, atriz ou ator negros. Além disso, a premiação desse ano também bateu um recorde: o de número de indicações de atores negros, que ficou em 6 nomes e, até então, o Oscar com mais negros indicados havia sido o de 2006.

Produções que estão quebrando estereótipos e mudando o protagonismo negro

Os efeitos de produções que levantam o debate sobre racismo não estão apenas dentro dos limites de fazer com que uma questão de extrema urgência de atenção como essa esteja em pauta, é também influenciar o aparecimento de outras obras que não deixem essa discussão morrer, como sempre acontece. Além de “ Moonlight: Sob a Luz do Luar ”, é importante destacar outras criações do entretenimento que pautam a questão racial de algum jeito: ora dando o papel principal para atores e atrizes negros, ora falando do racismo propriamente, ora desenvolvendo papéis livres dos mesmos clichês e estereótipos de sempre.

Cena do filme
Divulgação
Cena do filme "Estrelas Além do Tempo"

O longa “ Estrelas Além do Tempo ” (2017), de Theodore Melfi, por exemplo, fala, em contexto de Guerra Fria, de uma disputa por uma supremacia na corrida espacial enquanto a sociedade americana, paralelamente, vive uma realidade de cisão racial entre pessoas negras e brancas. Essa situação reflete também na NASA , onde um grupo de funcionárias negras é obrigado a trabalhar separado do restante.

O drama biográfico de Melfi além de levantar a questão do racismo , ainda colabora para a quebra de estereótipos quando coloca um holofote em cima da história real de três mulheres negras, interpretadas por Taraji P. Henson, Octavia Spencer e Janelle Monáe, que provam sua competência, inteligência e capacidade, colocando esses três fatores acima de qualquer questão que queira usar a cor de pele como desculpa para reproduzir e reafirmar preconceitos.

Cena da série da Netflix Dear White People, cujos dez episódios da primeira temporada já estão disponíveis
Divulgação
Cena da série da Netflix Dear White People, cujos dez episódios da primeira temporada já estão disponíveis

Na mesma linha de “Estrelas Além do Tempo”, há também a série “ Dear White People ” ou “ Cara Gente Branca ”, da Netflix . A série, lançada em abril de 2017, retrata o quanto jovens universitários, que constituem um grupo de classe média norte-americana, ainda com todo o intelecto e acesso à todos os meios possíveis e imagináveis de informação e educação que uma universidade pode oferecer, ainda podem reproduzir e contribuir para a perpetuação de um discurso deslegitimador e racista por meio de micro e macro opressões diariamente vividas por pessoas negras e as diferentes formas que essas pessoas escolhem de combater o racismo que as atinge.

Leia também: Cannes 2017 encerra com homenagem a Nicole Kidman e prêmio para Sofia Coppola

Cena do filme
Divulgação
Cena do filme "Corra!", de Jordan Peele

Além dessas produções, há também o filme “ Corra! ” (2017) que pauta a questão racial, mas mais especificamente inter-racial . No enredo, um pouco diferente de muita coisa que já foi produzida por misturar racismo com terror.

Chris, um homem negro, se relaciona com uma mulher branca e está prestes a conhecer a família dela, muito amorosa num primeiro momento, mas que esconde algo perturbador por trás do tratamento excessivamente atencioso.

O filme tem o mérito de sutilmente abordar a fetichização do corpo negro pelos brancos e, não à toa, coloca uma monte de brancos velhos e europeizados como vilões. É um filme que sintetiza muitíssimo bem esse momento em que a indústria de entretenimento promove esse importante debate de maneira absolutamente irrestrita.