Tamanho do texto

Veja como "Piratas do Caribe" influenciou, para o bem ou para o mal, a vida e carreira dos protagonistas Johnny Depp, Orlando Bloom e Keira Knightley

Inaugurada há 14 nos cinemas, “Piratas do Caribe: A Maldição do Pérola Negra” criou uma das franquias de maior sucesso da cultura pop atual. Uma história dominada pelas emoções e aventuras de um tipo que sempre foi caro à ficção – o dos piratas e suas jornadas desbravando novas terras e explorando o alto mar – aliada a personagens, e, por conseguinte, seus atores, que cativavam o público foi a receita perfeita para alcançar números exorbitantes de faturamento. O primeiro filme, por exemplo, rendeu mais de 650 milhões de dólares para a Disney. O êxito da saga, contudo, teve seu lado negativo e enterrou alguns de seus atores na máscara criada por seus personagens. Ao longo de mais de uma década, qual foi o efeito de “Piratas do Caribe” para o trio de protagonistas, Johnny Depp, Keira Knightley e Orlando Bloom?

Leia também: Cannes 2017 privilegia filmes protagonizados e dirigidos por mulheres

Johnny Depp

Depois de ''Piratas do Caribe'' Johnny Depp amargou a decadência de sua carreira e sofreu com escândalos públicos
Divulgação
Depois de ''Piratas do Caribe'' Johnny Depp amargou a decadência de sua carreira e sofreu com escândalos públicos

Johnny Depp brilhou no primeiro filme de “ Piratas do Caribe ”: seu personagem, o Capitão Jack Sparrow, com seu jeito exagerado, humano e levemente cômico, foi certeiro com o público que, imediatamente, se identificou com ele. Apesar de Depp quase ter ficado de fora da produção por desconfiança do estúdio, o ator acabou se tornando a maior estrela de toda a franquia – e, assim, o mais lógica seria que sua carreira tivesse sido eternizada com papeis cada vez mais expressivos, porém, a realidade foi outra. Preso a um estereótipo, outras atuações que teve dali por diante não foram bem aceitas e os filmes não deslancharam, como foi o caso de “O Cavaleiro Solitário”, de 2013.

Leia também: Pretensioso, "O Rastro" emula padrão hollywoodiano em terror à brasileira

Os escândalos públicos também foram um ponto derradeiro para a deterioração de sua imagem enquanto ator: em 2016, Johnny Depp foi acusado de agressão por sua ex-mulher, Amber Heard. Ela pediu o divórcio e moveu contra ele uma ação de ordem de restrição, alegando que havia sido agredida física e verbalmente por pelo ator durante o relacionamento. A mídia cobriu intensamente o caso e, no final, Amber retirou as denúncias e aceitou um acordo judicial com o ator, entretanto, a imagem de Depp ficaria permanentemente manchada após o incidente.

Ele se tornou, por esse motivo, alvo de protestos de fãs através de redes sociais quando foi escalado para a saga de “Animais Fantásticos e Onde Habitam”, spin-off da franquia de "Harry Potter" que estreou no final de 2016. Os comentários alegavam, sobretudo, que um agressor como ele não poderia ficar impune pelas violências que supostamente cometera contar a ex-muljer e que era injusto que sua vida profissional não sofresse as consequências pelos seus erros – uma parte do públicou chegou a boicotar o filme nos cinemas pela participação de Depp. 

Atualmente, Depp é uma figura desgastada e que não conseguiu se desvencilhar de Jack Sparrow e o estereótipo ligado do personagem, aprisionando sua carreira em uma única atuação para viver sempre o mesmo estilo de caracterização – e o caso de violência doméstica foi o que faltava para sua rejeição ser ainda mais alta. Além do mais, mesmo em "Piratas do Cariba: A Vingança de Salazar", o ator não mostrava comprometimento com seu trabalho e, segundo relatos dos bastidores, suas atitudes relapsas, como atrasos, prejudicaram o andamento das gravações. Apesar de tantos contratempos e da queda de sua popularidade e relevância, Johnny Depp já está associado a filmes que devem ser lançados no próximos anos, e, assim, o ator pode ter uma esperança de recuperação de sua imagem pública. 

Orlando Bloom

Orlando Bloom, depois de ''Piratas do Caribe'', nunca mais conseguiu fazer tanto sucesso como ator
Divulgação
Orlando Bloom, depois de ''Piratas do Caribe'', nunca mais conseguiu fazer tanto sucesso como ator

Quando foi escolhido para encarar Will Turner, o grande herói de “Piratas do Caribe”, Orlando Bloom era um ídolo em ascensão: em evidência pela enorme repercussão que teve na saga de “Senhor do Anéis”, Bloom era uma das grandes apostas do mercado hollywoodiano naquela época. Entretanto sua carreira não se desenvolveu e o deixou estagnado, relegado a papeis menores e em filmes que já não alcançaram a dimensão de “Piratas do Caribe” nem de “Senhor dos Anéis”. Seu nome ficou associado à produção da Disney e crescer se tornou uma tarefa quase impossível para ele – depois de se agastar da franquia, ele retorna à esse universo em “Piratas do Caribe: A Vingança de Salazar”, com a esperança de ter um novo respiro no cinema.

Leia também: O que as mulheres gostariam de dizer a personagens sem noção do cinema e da TV

Contudo, o ator conquistou um posto inesperado ao diminuir sua participação na sétima arte: em 2009 e 2015, respectivamente, Orlando Bloom foi nomeado como embaixador da boa vontade pela UNICEF e, em seguida, conquistou o prêmio humanitário Britannie concedido pelo BAFTA. Assim, mesmo longes das telas, o ator acabou se destacando pela participação em causas humanitárias. 

Keira Knightley

Keira Knightley foi a única protagonista de ''Piratas do Caribe'' que conseguiu aprimorar sua carreira como atriz
Divulgação
Keira Knightley foi a única protagonista de ''Piratas do Caribe'' que conseguiu aprimorar sua carreira como atriz

Dos três protagonistas, Keira Knightley era a atriz menos provável de despontar: Depp já tinha uma sólida carreira como ator, Bloom estava vivendo seu auge, porém Keira ainda não era uma atriz reconhecida e estava dando seus primeiros passosm. Até então, ela participava majoritariamente de produções feitas exclusivamente para a televisão. Interpretando Elizabeth Swann, uma mulher forte e decidida, ela se destacou e, a partir de então, foi abocanhando papeis cada vez maiores e acumulou diversas indicações para premiações.

Logo após chamar a atenção em "Piratas do Caribe: A Maldição do Pérola Negra", em 2005, Keira Knightley foi escalada para ser a protagonista de "Orgulho e Preconceito", adaptação do clássico romance homônino de Jane Austen que lhe rendeu uma indicação ao Oscar naquele ano como melhor atriz. Depois de já ter se afirmado no circuito comercial, a atriz passou a investir em produções independentes que lhe garantiram maior reconhecimento por sua atuação e, assim, em 2014 ela, novamente, é destaque no Oscar, mas como coadjuvante no drama "O Jogo da Imitação", filme que conquistou a crítica e teve bom alcance de público. 

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.