Tentando alavancar o cinema de terror no país, "O Rastro" acerta na técnica, porém, roteiro e direção comprometem resultado final do filme

É realmente louvável a iniciativa de se fazer um terror brasileiro para “americano ver”. E a figura de expressão ganha literalidade já que “O Rastro” já assegurou distribuição em circuito limitado nos EUA. No entanto, o filme de J.C. Feyer – de certa forma uma americanização para João Caetano – falha clamorosamente em alguns fundamentos básicos do cinema.

Leia também: Com Leandra Leal, "O Rastro" tenta fomentar o cinema de terror no Brasil

''O Rastro'' emula padrão hollywoodiano no cinema brasileiro de terror, mas tem falhas que comprometem o filme
Divulgação/Agência Febre
''O Rastro'' emula padrão hollywoodiano no cinema brasileiro de terror, mas tem falhas que comprometem o filme


Para americano ver

Na premência de afirmar-se como filme de gênero, com direito ao sobejo da técnica – e “ O Rastro ” é brilhantemente montado, maravilhosamente fotografo e conta com uma direção de arte engenhosa – Feyer descuida de preceitos imperiosos para um bom filme . Há excesso de sonoplastia (quase um grito para o público de que o som é importante para o clima do filme), opções equivocadas de direção e um roteiro que, no mínimo, precisaria de mais uns dois ou três tratamentos.

Leia também: Novo "Rei Arthur" reconta história clássica à la Guy Ritchie

É nítida a influência da onda de refilmagens americanas de clássicos asiáticos que tomou Hollywood de assalto no início da década passada. Não à toa, a ideia de se fazer o filme surgiu na esteira do sucesso desses filmes. É justamente a importância do som para o filme de Feyer que acusa o santo. A preocupação em assustar se impõe à manipulação de uma atmosfera de terror. O que nos leva a outro problema da fita. A hesitação por parte da realização em assumir-se como um terror psicológico. Por um bom tempo há apenas a exploração do espaço físico como catalisador do terror.

Leia também: Documentário da HBO investiga fascínio por Slenderman a partir de crime chocante

Rafael Cardoso em cena do terror brasileiro ''O Rastro''
Divulgação/Agência Febre
Rafael Cardoso em cena do terror brasileiro ''O Rastro''

As múltiplas referências jogam contra “O Rastro” e Feyer parece mais preocupado em mostrar que sabe fazer filme de padrão hollywoodiano, ou seja, em um sentido estritamente técnico estilístico, e acaba descuidando de ditames importantes para a constituição de uma narrativa envolvente, verossímil e realmente assustadora.

Rafael Cardoso (problemático) vive João, um médico que atua na Secretaria de Saúde do Rio de Janeiro em meio a uma das maiores crises da Saúde Pública do estado. Ele precisa ir contra o seu mentor (Jonas Bloch) quando precisa liderar a transferência dos pacientes do hospital São Tomé, que será fechado por decisão judicial. Seu mentor é contra. A situação vai ficando mais estressante e piora quando uma menina desaparece durante a transferência. Leandra Leal faz a mulher de João, que está grávida, e responde pela única atuação realmente digna de algum elogio no filme.

Um desagravo precisa ser feito a Feyer. Ele não se intimidou e lançou mão de recursos que promovem reviravoltas na trama – a maioria esperada, outras potencialmente surpreendentes. São referências que podem ser atribuídas a cineastas como Hitchcock, Shyamalan e Fincher, mas pobremente desenvolvidas. O filme, no entanto, apela à condescendência do público por chacoalhar a narrativa sempre que possível – provocando um falso sentimento de surpresa – e de projetar uma crítica (superficial e mal elaborada) ao Brasil anestesiado pela corrupção.

Leia também: "URBANAS" discute empoderamento feminino sob a perspectiva da moda

O grande risco capitalizado por “O Rastro” é justamente esse de se vender como “sabemos fazer terror ” e entregar uma produção com alma B que não se assume como tal. O efeito que pode acarretar para a produção do gênero no País, ainda restrita e cheia de percalços, é tenebroso.  O trocadilho pode ser cruel, mas o filme de Feyer não deixa um bom rastro.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.