Tamanho do texto

Com locações no Vietnã, novo filme dá tratamento original à mitologia de King Kong e tem potencial para agradar novos e antigos fãs; leia a crítica

Um dos maiores monstros do cinema, King Kong é sempre um acontecimento quando ressurge na tela grande. Sua última incursão, na refilmagem pilotada por Peter Jackson e lançada em 2005, foi ambiciosa e romântica. Era o Kong que sempre quisemos ver no cinema (com efeitos especiais caprichados, orçamento robusto, liberdade criativa, etc), mas ao mesmo tempo era o Kong que sempre vimos no cinema.

Leia também: “Versões de um Crime” é drama de tribunal em que julgamento é mero detalhe

King Kong está de volta aos cinemas brasileiros nesta quinta-feira (9) em
Divulgação
King Kong está de volta aos cinemas brasileiros nesta quinta-feira (9) em "Kong - A Ilha da Caveira"

“Kong – A Ilha da Caveira” chega para dirimir esse estranhamento. Não é um filme de origem, mas não é a história de King Kong que vimos em 1933, em 1976 e em 2005. Jordan Vogt-Roberts, do obscuro “Os Reis do Verão”, traz estilo e sustância visual para o filme que devolve o maior gorila do cinema a seu habitat. A ilha da caveira é puro exotismo e os personagens, por mais que remontem antigos clichês de gênero, transbordam carisma como a fotojornalista antiguerra de Brie Larson e o ex-militar britânico vivido por Tom Hiddleston .

Leia também: “Souvenir” é declaração de amor do cinema francês por Isabelle Huppert

Elenco comenta o filme em vídeo exclusivo

Dois cientistas vividos por John Goodman e Corey Hawkins convencem um senador a custear uma expedição a uma remota ilha para descobrir o que está acontecendo por lá antes dos russos. A paranoia motivada pela guerra fria não será a única boa referência histórico-política do filme. Roberts empresta de um dos filmes de guerra mais icônicos e reverberantes de Hollywood, “Apocalipse Now” , toda a sua estrutura dramática e, embora tenha que fazer concessões – como o subtexto da bela e a fera inerente a todas as encarnações de Kong -, afere um frescor muitíssimo bem vindo ao subgênero de filme de monstro.

A grande ambição de “Kong – A Ilha da Caveira” é entreter e isso é algo que cumpre exemplarmente. O visual do filme é de encher os olhos. A cena em que Kong enfrenta um pelotão de helicópteros é das coisas mais impressionantes e empolgantes para o fã do bom cinema de ação que em algum tempo no cinema. Nesse sentido, embora enverede por uma narrativa completamente diferente da proposta por Gareth Edwards em “Godzilla” (2014) – e acredite: isso importa - Roberts alcança um resultado mais impactante de uma perspectiva de cinema enquanto espetáculo.

Tom Hiddleston e ótimo elenco são atrações de
Divulgação
Tom Hiddleston e ótimo elenco são atrações de "Kong - A Ilha da Caveira"

Em última análise, este é um filme feito por um fã para fãs de King Kong. Das lutas com lagartos gigantes maravilhosamente articuladas à rivalidade com o surtado coronel vivido por Samuel L. Jackson, mais do que atualizar o personagem, “Kong – A Ilha da Caveira” faz justa reverência ao rei mais longevo do cinema.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.