Tamanho do texto

Depois de 15 anos do lançamento do primeiro filme, a história de Samara Morgan volta às telonas atualizada, mas com algumas falhas no roteiro

Em tempos de filmes e vídeos nas plataformas digitais, há ainda quem prefira assistir às videocassetes “vintage”, como classifica o professor Gabriel, personagem de “O Chamado 3” . Na continuação de um dos clássicos dos filmes de terror, Samara Morgan volta a assombrar as suas vítimas da mesma maneira: primeiro o vídeo, depois a ligação e a partir daí uma contagem regressiva com sete dias para o encontro final com a morte, mas dessa vez, a garota está mais tecnológica e aprendeu comandar até mesmo computadores e celulares.

Paramount lança vídeo imersivo com experiência no cenário do filme de terror ''O Chamado 3''
Divulgação/Paramount
Paramount lança vídeo imersivo com experiência no cenário do filme de terror ''O Chamado 3''


Leia mais: "O Chamado 3": filme ganha vídeo de realidade virtual na internet

O novo filme remonta a trágica história de Samara Morgan, doze anos depois do lançamento da primeira sequência de “O Chamado” . Na nova trama, Holt (Alex Roe) é um jovem calouro de uma universidade que tem que se afastar de sua namorada Júlia (Matilda Anna Ingrid Lutz) para seguir seu caminho em uma nova cidade e uma nova rotina. O casal consegue manter um contato constante, mesmo meses depois da mudança, até um dia que inexplicavelmente o jovem some e Júlia passa por acontecimentos estranhos que a levam à se preocupar com o namorado. Nessa dúvida sobre seu paradeiro, a garota chega a ir até a universidade de Holt, sem muitas pistas sobre onde ele possa estar.

Lá, Júlia descobre que Holt está envolvido em um mistério macabro com outros colegas, comandado pelo seu professor de Biologia, Gabriel. Em busca de respostas, Júlia acaba entrando em contato com um grupo de estudos muito bem estruturado que busca decifrar a existência ou não de uma alma e da vida pós-morte, com pesquisas baseadas no caso de Samara Morgan, a jovem garota que foi morta pela própria mãe. A partir daí, começa uma grande investigação para resgatar a história da morta e compreender o motivo dessa sua sede de vingança.

Leia mais: Filme canibal que causou desmaios em festival ganha trailer; assista

O filme abusa dos medos comuns, como lugares escuros, túmulos e insetos, cumprindo sua proposta de fazer o telespectador levar alguns sustos na sala do cinema. Entretanto, há algumas falhas no roteiro, contradizendo a própria história contada nos filmes anteriores. Em “O Chamado 2”, Evelyn, a mãe biológica de Samara Morgan, está em uma clínica psiquiátrica e, inclusive, chega a receber a visita de Rachel (Naomi Watts) que também investiga o caso de sua filha. Já aqui, o passado de Evelyn é resgatado e o seu espírito assombra Júlia, mas na forma de uma grávida adolescente, dando a entender que ela morreu de maneira precoce pois foi dada como desaparecida há trinta anos.

Outro aspecto que “O Chamado 3” acaba pecando é em relação ao excesso de acontecimentos. Não há fôlego para o telespectador e o clima do mistério constantemente construído pela trama vai sendo quebrado, seja pela obviedade ou pela contradição. As cenas acabam se amontoando uma em cima da outra rompendo o suspense clássico do filme e, até mesmo, transformando momentos que seriam de mistério em algo cômico.

Leia mais: Assustador! 5 filmes que foram baseados em fatos reais, para ver no Halloween