Tamanho do texto

Livro traça perfil de onze cidades onde mais se pedala no Brasil

Transporte alternativo sempre foi um tema que me despertou interesse. Morar em grandes centros urbanos nos deixa absurdamente nervosos e depressivos quando o assunto é trânsito ainda mais onde o transporte público é ineficiente. Por isso pensar em opções de locomoção alternativas se faz totalmente necessário.

Leia também: Com ternura e convicção, Michelle Obama encanta e inspira em autobiografia

Livro
Divulgação
Livro "Mobilidade Urbana"

 Em 2015, André Soares, da União de Ciclistas do Brasil, e Daniel Guth, da Aliança Bike, organizaram o livro “A Bicicleta no Brasil”, que abordou a situação da mobilidade por bicicletas em dez capitais brasileiras. Agora em uma segunda etapa, lançaram “O Brasil que pedala”, que traz um panorama da mobilidade ativa de 11 cidades brasileiras de até 100 mil habitantes, com dados sobre a adaptação das bicicletas em diversos tipos de terrenos além de um perfil dos usuários.

Podemos pensar que, por serem cidades pequenas, a mobilidade se torna mais fácil, mas o livro nos traz dados alarmantes sobre algo que as cidades maiores já sofrem: o aumento expressivo do uso de motos. E esse aumento não é apenas uma questão de trocar a bicicleta pela moto, mas há o indicador do aumento de morte no trânsito quer seja por colisão ou por atropelamento. Par se ter uma ideia, o livro informa que entre 2001 e 2016, mais de 70% de todas as motos emplacadas neste período foram para cidades pequenas.

Leia também: Livro relata sequestros de crianças durante a Ditadura militar

Outro ponto interessante abordado foi o perfil desses usuários. André Soares e Daniel Guth nos contaram que “os resultados das pesquisas nas cidades pequenas estudadas indicam que a bicicleta tem um componente de inclusão e de garantia do direito à cidade que é importante dar destaque. Praticamente 2/3 de todos os ciclistas ganham entre 0 e 2 salários mínimos”.

O acesso e manutenção de uma bicicleta é claramente menor do que a de um automóvel, o que nos traz a pergunta do por que o transporte alternativo é tão difícil de emplacar em cidades grandes. Claro que os componentes distância, terreno e relevo são importantes, mas será que nenhuma política pública é capaz de atuar para o incentivo do uso de bicicletas?

Para os organizadores a infraestrutura cicloviária (ciclovias e ciclofaixas) tem um efeito direto no aumento do uso da bicicleta, mas construir uma malha extensa e interligada é uma realidade ainda distante. “Estudos recentes indicam que morar próximo a uma ciclovia, por exemplo, aumenta em 150% as chances de uma pessoa optar pela bicicleta como meio de transporte. Ou seja, ciclovias, ciclofaixas e todas as demais estruturas voltadas à circulação de bicicletas são indutoras do uso de bicicletas”, explicam os autores.

Leia também: "Furacão Anitta": o que a biografia de uma mulher tão jovem pode agregar?

Eu e tantos outros desejamos que um dia consigamos ter transportes públicos e alternativos de qualidade, que permitam as pessoas não dependerem mais do carro e que incentivos do governo nos permitam também usufruir desses com maior segurança e melhor qualidade de vida.

Em tempo: O livro venceu esse ano o prêmio da Transporte Ativo na categoria Pesquisa e levantamento de dados.

Ficha Técnica

Organização: André Soares e Daniel Guth

Capa Comum

256 páginas

Editora: Jaguatirica

Para pautas e sugestões: colunaquartacapa@gmail.com